PROSAS EM VERSOS

SER POETA, É SENTIR AFLORAR DA PELE SENSIBILIDADE, É OUVIR O GRITO DOS QUE NADA DISSERAM, É VER POR UMA GAMA DE CORES INVISÍVEIS À MACROSCÓPICA VISÃO DOS INSENSÍVEIS, É PENETRAR IMPIEDOSAMENTE À ALMA HUMANA.

domingo, 4 de março de 2012

Aconteceu



Carmen Alice Ribeiro



Finalmente o amor aconteceu, 
E entramos no paraíso de Deus, 
Deslizando 
Sob a pele da água 
Feito peixe. 
Vimos as pérolas preciosas do mar 
E ficamos pasmos. 
Finalmente o amor aconteceu 
Sem intimidações...na simetria do desejo. 
E fomos honestos. 
Aconteceu com maravilhosa facilidade 
Como escrever com água de jasmim, 
Como nascente fluindo do chão.

Nizar Qabbani

Vida e Poesia



Angela Mendes




E o poeta assim se faz...
Rosto marcante...
olhar intenso, que ultrapassa a alma,
como se buscasse a essência
do coração que tenta te desvendar.
Tem a suavidade da flor do campo
e o frescor da relva molhada.
Sorriso doce e gostoso desenhado nos lábios
convidando maliciosamente a um beijo.
Devaneios povoam os pensamentos
de desejos incontidos.
Assim se formam versos e poemas
na mais sutil revelação.
Entrega de alma.
Relatos de vida.
Experiências vividas.
O Amor?
Transparente como cristal.
Emoções que fluem exteriorizando sensibilidade,
a cada letra, a cada ponto.
Palavras?
Desejos de amar sem limites.
Amor sem fragmentos.
Sentimentos, encontros,
desencontros, destinos.
Sincronicidade de muitas histórias, na mesma vida.
Doces e envolventes histórias,
que permitem sonhar, desejar, flutuar..
A alma viajar pelas nuvens,
pelo vento, pelo tempo,
Por um mar de poesias.

Lenilce Azevedo

Reverência ao Destino



Carol Rabelo




"Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.
Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.
Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz.
Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer. Ou ter coragem pra fazer.
Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende. E é assim que perdemos pessoas especiais.
Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.
Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.
Fácil é dizer “oi” ou “como vai?”
Difícil é dizer “adeus”. Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas…
Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.
Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar. E aprender a dar valor somente a quem te ama.
Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.
Fácil é ditar regras.
Difícil é segui-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.
Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta. Ou querer entender a resposta.
Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.
Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro.
Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.
Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado.
Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho…"
Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.

Carlos Drummond de Andrade

Sonho Meu



Maria Salete Ariozi




Você é um inatingível sonho.
impossível,
Esquisito,
por isso tão querido.

Tudo que é vivo ,
é possível se alcançar.
Os sonho não são vivos...,
São Eternos
Posso sonhar !

Transcendem espaços,
Voam no tempo,
Movimenta a esperança.

Os sonhos possuem alma,
Sentimentos verdadeiros eternizados.

Rompem-se barreiras,
integram-se em emoções certeiras,
lúdicos constroem uma história
são sonhos, mas consistem na memória.

Estes que tenho guardados em mim
honra-me saber,
alegro-me ao sentir,
realizam-me em ter você...
junto a mim !

Assim nos meus olhos
refletem o brilho dos olhos teus,
meu sonho existe
não se perdeu.

Ele voa com a força do vento,
viaja na velocidade do som
Se comunica na rapidez da NET
No grito do
EU TE AMO,
Embora este sonho
Seja somente um sonho meu...

((Salete))

Troco



Luiz Carlos Lóes



Troco minha aflição por sua afeição! 
meu dinheiro por um bom companheiro!
minha tola hipocrisia por 1 bela poesia! 
minha dor por algo chamado amor!
minha dor de gente, por sua DOR de dente!
 minha vida , TROCO pela sua, 
E MEU Picasso por SUA revista de mulher nua !
minha angústia por sua dor! 
meu planeta pelo seu! 
minha ganância por 1 olhar de criança! 
minha riqueza por sua pobreza! 
Troco tudo por pedaço de giz !
 Só o quero é o que todos querem , 
ser feliz !!! Meu nome é Luiz ... 

poema de minha autoria

Metade


Angela Mendes





Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio.
Que a morte de tudo que acredito não me tape os ouvidos e a boca.
Porque metade de mim é o que eu grito, mas outra metade é silencio…
Que a música que ouço ao longe seja linda, ainda que triste.
Que a mulher que eu amo seja sempre amada, mesmo que distante.
Porque metade de mim é partida e a outra metade é saudade
Que as palavras que eu falo não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor, Apenas respeitadas como única coisa que resta a um homem inundado de sentimento.
Porque metade de mim é o que ouço, mas outra metade é o que calo.
Que essa minha vontade de ir embora se transforme na calma e na paz que mereço.
Que essa tensão que me ocorre por dentro seja um dia recompensada.
Porque metade de mim é o que eu penso e a outra metade é um vulcão.
Que o medo da solidão se afaste, que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.
Que o espelho reflicta em meu rosto o doce sorriso que eu lembro de ter dado na infância.
Porque metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade eu não sei.
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria para me fazer aquietar o espírito.
E que o teu silencio me fale cada vez mais.
Porque metade de mim é abrigo, mas a outra metade é cansaço.
Que a arte nos aponte uma resposta, mesmo que ela não saiba,
E que ninguém tente complicar, porque é preciso simplicidade para fazê-la florescer.
Porque metade de mim é a plateia e a outra metade a canção.
E que a minha loucura seja perdoada.
Porque metade de mim é amor e a outra metade…
também!

Oswaldo Montenegro

Mãos de fogo, mãos de neve



Fátima Custódio




Mãos de fogo, mãos de neve, dilacerando pedaços de mim,
Silêncios de água, oceanos e todas as fontes nascendo
Artifícios de mim, quase reflectem no espelho, o insano
Aquietam-se por entre elementos da água salgada...
Mãos de fogo, inquietas rasgam as letras que componho
Mãos de neve, sonhos perdidos, fragmentos...

Mãos de fogo, mãos de neve, ritmando a solidão...
Perco-me na ténue gota saída do azul do mar,
Voltarei para buscar as cores que aqui deixei,
Voltarei para pintar as cores da alvorada
E as partículas perdidas do esperar renascer

Mãos de neve, espessas brumas, ecos no meio do nada,
Mãos de fogo, sede, não há ninguém além de mim...
Restos de lágrimas dos dias em todos os olhos do tempo,
Nas horas caladas, queimando as minhas mãos de fogo,
No espelho do lago, nos montes da lua, na neve das mãos.

FERNANDO - Prosas do Tema = Tempestade






Fernando Martinho
TUMULTO





Tempestade... O desgrenhamento
das ramagens... O choro vão
da água triste, do longo vento,
vem morrer-me no coração.

A água triste cai como um sonho,
sonho velho que se esqueceu...
( Quando virás, ó meu tristonho
Poeta, ó doce troveiro meu!...)

E minha alma, sem luz nem tenda,
passa errante, na noite má,`
à procura de quem me entenda
e de quem me consolará...
Cecília Meireles

Tempestade/Bonança



Carmen Alice Ribeiro




Hoje o meu coração acordou triste,
Como queria que este tempo,
Não me provocasse desalento,
O tempo é violento e não desiste.

Um misto de sensações,
Desencadeiam-me as emoções,
Senti nesta hora em demasia o peso,
A minha condição humana, dá-me medo.

Olhando o espelho vejo-me nos teus olhos,
O espelho não engana, os meus olhos também não,
Olho para ti jovem, escuto o teu falar a tua convicção,
Sinto a tua alegria e reflito, saudades de outrora.

Tanto, mas tanto ainda para viver,
Faz-me sorrir os seus ideais,
Esses olhos brilhantes, sequeosos de acontecer,
Querendo sentir mais e mais.

Vive como a vida fosse um sempre,
Tantos sentiram também esse momento,
Olho para o brilho do seu olhar,
Faz-me sede esse seu agir e pensar.

Doi sentir e viver sonhos desfeitos,
Tu jovem também irás ter, a vida faz-se nesse jeito,
Hoje o meu coração doi no vazio,
Jovem falas,falas cada um sente o seu desígnio.

Tempo, tempo quem o tem,
Ele não se faz de ninguém,
Para a frente avança a vida,
Os meus olhos perderam aquele brilho.

Tu jovem olhas-me fixamente ,
Que vagará na tua mente,
Pena, não estou aí dentro,
Quiça ainda traria daí algum ensinamento.

Nunca tudo na vida saberemos,
Cada momento passa diferente,
A reviravolta acontece em momentos,
Teremos sempre a sensação presente.

O que está fora das nossas mãos,
Por vezes desfaz-se em pedaços o coração,
Enquanto o sangue pulsar nas veias,
Não aceito o não e dispenso conselhos.

Enquanto o respirar sair da boca,
Todo o viver será pouco, muito pouco,
Enquanto a dor permanecer,
Coninuarei a viver e nunca esquecer.

Enquanto tiver força caminharei,
Nunca de lutar na vida deixarei,
Passos repletos de querer,
Pois a idade é um mero acontecer.

Enquanto o meu coração bater,
E que tudo na vida seja um talvez,
Não desistirei de fazer e acontecer,
Nunca se pode apagar o que se fez.

Jovem tu tens tudo para ser feliz,
Escuta o que este alguém te diz,
Luta pelos teus sonhos e ideais,
Nunca se desiste na vida, jamais.

Eu sou feliz e também triste,
Sou um exemplo que não desiste,
Refaço a minha história não do nada,
Mas de fragmentos espalhados.

Pocuro todos os meus pedaços,
Remendo-os como se possivel fosse,
Não ter dores e dissabores,
Na vida teremos alegrias e desgostos.

Enquanto no meu rosto rolar lágrimas,
Estou viva e terei comigo a esperança,
Que depois da tempestade virá a bonança.

Rosa
17/07/2007

LIGIA - Prosas do Tema = Tempestade




Ligia Shlochmann






SINCERAMENTE EU JÁ SOU UMA TEMPESTADE
UM DESASTRE, 
NA POESIA ENTÃO, 
UM TSUMANI, 
VOU ESCREVENDO 
O QUE ME DÁ NA
CABEÇA, 
LEVANDO TUDO, 
SEM RIMA, SEM PROSA, SEM VERSOS
TUDO QUE ESCREVO É DE IMPROVISO 
E NA HORA, 
NUNCA PAREI PARA PENSAR 
E RIMAR
VERSOS, 
ENTÃO O TEMA: TEMPESTADE VOU DEIXAR
PARA MEUS NOBRES AMIGOS, 
POETAS E POETISAS
BRILHAREM NA TEMPESTADE, 

Um Segredo




Aníbal Bastos





Um segredo revelado,
Pode ser utilizado,
Como faca de dois gumes:
Tornar um amor mais forte,
Ou condená-lo à morte,
Ao tentar fazer ciúmes!

Se alguém conta um segredo
Que é só seu, e, não tem medo,
Assume a responsabilidade,
Como um ser que não se esconde
E às perguntas responde,
Somente com a verdade!

Porque a verdade é só uma;
Não esconde coisa alguma,
Por mais dura que ela seja!
Não é como a mentira
Que às vezes chora ou suspira,
Para alcançar o que deseja!

Quando as afirmações,
Contêm contradições,
Tornam-se de certo modo,
Num transparente vestido
Que mesmo sem ser despido,
Deixa ver o corpo todo!

Na forma de se expressar,
Quando se quer enganar,
No falar, ou no escrever!
No som, ou nas entrelinhas,
Encontram-se as “verdadinhas”
Que se pretende esconder!

Certos segredos escondidos,
São no silêncio os gemidos,
Que na alma têm guarida!
Por não se querer assumir,
Vive-se a vida a fugir,
De nós mesmos e da vida!

Não penses que são para ti,
Estes versos que escrevi,
Numa versão incompleta!
Pois são só e simplesmente,
O que deste tema sente,
A alma de um poeta!

A. Bastos (Júnior)

ANGELA - Prosas do Tema = Tempestade


Angela Mendes
BARCO SEM PORTO...




A alma fica inquieta,
por palavras ditas
angústias de esperas,
noites cheias de saudades
de alguém ausente...

Queremos estar juntos,
mas os caminhos tomam
outros rumos...

E começa a tempestade
que nos deixa flutuando
sem porto para ancorar..

Quando o uivo do vento cessar
talvez volte a ouvir as batidas
do meu coração
que espera unir-se ao teu...

Ângela Mendes

ANGELA - Prosas do Tema = Tempestade


Angela Mendes
Folha ao vento...




Sentimentos e emoções
guardados na alma. 
Folhas trazidas pelo vento
esparramadas na calçada...
Numa rajada de vento,
ergueram-se num rodamoinho
e a tarde escureceu,
o céu fez-se noite
num repente...
Assim é tua partida...
meus olhos ficam nublados
pelas lágrimas que teimam em cair
mas não as deixo ir...
A alma fica gelada
vai-se junto contigo minha alegria,
nada mais me encanta
e como tempestade de verão
fica um vazio no meu coração.
Aguardo um novo sol,
num outro dia,
como náufrago num barco à deriva
recolhendo os destroços da saudade...
E a brisa que te trouxe,
num vendaval te levou..
E fiquei te vendo partir
à margem da vida...

Ângela Mendes

SALETE - Prosas do Tema = Tempestade


Maria Salete Ariozi

Distância




Profundos sentimentos
Perturbam minha mente.
Como uma tempestade assustadora
Que se forma, tudo modifica,
E transforma...

Rebombam trovões em minh’alma.
No coração fazem feridas
Os granizos da indiferença,
Desavenças, 
Já sem Crenças !

Uivam fortes ventos, num clamor.
Persistindo em avisar,
Que só o querer, não mais permite.
Consiste na falta de freqüência
Que existe...

Relâmpagos clareiam o céu.
A luz inunda, iluminando um caminho.
Acuado, o pássaro busca seu ninho,
Embora ferido, assustado ele voa,
Abriga-se, e a toda mágoa perdoa.


ANIBAL - Prosas do Tema = Tempestade



Aníbal Bastos
TEMPESTADE





Deitando num copo de água,
Duas pitadas de mágoa,
Misturadas com saudade!
Umas gotas de ciúme,
Mais uns pingos de azedume,
Cria-se uma tempestade!

Sem haverem vendavais,
Nem chuvas torrenciais,
No nosso peito a verdade,
Por vezes é dor pungente,
De tal forma que se sente,
O fragor da tempestade!

Quando se sente a fugir,
Do nosso rosto o sorrir,
Da nossa vida a vontade!
É esta agonia atroz
Que fica dentro de nós
Ao passar da tempestade!

Quando o dia escureceu,
Porque o Sol escondeu,
De nós a felicidade!
No fundo da nossa alma, 
Morre a paz e a calma,
Só fica a tempestade!

Talvez um dia quem sabe,
Esta tempestade acabe,
E com ela a ansiedade!
E os raios da esperança,
Façam raiar a bonança,
Levada pela tempestade!

A. Bastos (Júnior)

SALETE - Prosas do Tema = Tempestade



Maria Salete Ariozi
Sintonia



Você faz em mim
Uma tempestade
Aflorada, aguçada !
Entrego-me sem reservas,
Amo-te sem distinção.

Exploro sua intimidade
Sem frescura,
Sem pudor.
Assim cuido desse Amor
Como preciso for.

Rasgam-se
Fantasias, 
Num momento de explosão,
Tenho você bem perto,
E dentro do coração !

Beijo-te com ardor.
Vejo em seus olhos
O brilho da flor. 
Aqueço você dentro de mim
No meu íntimo calor !

Somos assim:
Amantes sintonizados !
Um feito,
Sem defeitos,
Somos perfeitos !


BASILINA - Prosas do Tema - Tempestade




Basilina Divina Pereira






Tempestade de palavras
por entre os meus pensamentos:
umas fortes, outras não,
e todas com o mesmo propósito
a procura da poesia.

Basilina Pereira

SALETE - Prosas do Tema = Tempestade



Maria Salete Ariozi
À deriva



À deriva 
Te encontrei...
Quase como naufrago
Me apaixonei !

Confiando em suas mãos
O remo desse amor deixei-me navegar.
Colaboramos e juntos projetamos, 
A outra margem alcançar.

Remamos... remamos... remamos,
Exaustivamente todos os dias.
Sempre com Alegria, Entusiasmo,
Coragem e Fé.

Vencemos altas ondas,
Ventos, medos e inseguranças.
Balançamos de um lado à outro.
Quase engolidos, quase afogados fomos, 
E Rogamos !! 

A tempestade se dissipou.
Nosso Amor a tudo venceu.
Quanto Amor
Isso gerou, 
Amor meu !


Quem?




Fernando Martinho






Não sei quem és. Já não te vejo bem...
E ouço-me dizer (ai, tanta vez!...)
Sonho que um outro sonho me desfez?
Fantasma de que amor? Sombra de quem?

Névoa? Quimera? Fumo? Donde vem?...
- Não sei se tu, amor, assim me vês!...
Nossos olhos não são nossos, talvez...
Assim, tu não és tu! Não és ninguém!...

És tudo e não és nada... És a desgraça...
És quem nem sequer vejo; és um que passa...
És sorriso de Deus que não mereço...

És aquele que vive e que morreu...
És aquele que é quase um outro eu...
És aquele que nem sequer conheço...

Florbela Espanca,
 in "A Mensageira das Violetas"

O Girassol




Lúcinha Santos





observem o Girassol !!!!!!!
Ele está sempre apontando pro sol, não importa
se há nuvens, ele vai exatamente estar lá
apontando pro sol.
Não importa oque aconteça
Sejamos girassóis , por mais difcil a caminhada, sigamos o sol
por que é ele que dá a energia pra que possamos caminhar em frente.
por mais nuvens que impeçam de sermos felizes, aponte pro sol
tudo é passageiro e há sempre uma saída.
Oque não se pode é ficar reclamando da vida sentado. Vá a luta
siga o sol !! seja um Girassol !!!


DAISI - Prosas do Tema = Tempestades


Daisi Oliveira de Souza
Travessuras





As tempestades que causei,
mal posso lembrar...
por mia culpa...
promessas não cumpridas,
palavras soltas ao vento
e tu acreditastes em cada uma delas.
Perdoa meu impulso,meu desdém...
Não quis te fazer sofrer,
fui somente uma menina,
desejando ser amada....
sem ser de ninguém.



A Tempestade




Sonia Isotton





Barulho na imensidão,
brilho nos olhos da alma
fruto de clarão vindo do céu
voz que não fala mas não cala

É destruição que pode tudo levar ao léu
No coração silêncio que a incerteza traz
no corpo o grito que a agonia do não saber
faz crer no que não existe, que é mar, é céu

Agito, pranto, lamento
- assunto no pensamento
Como não viver o que se vê?
Como não fazer o que se quer?
Como ir além da água que sobrevém?

É tempestade
Chuva, relâmpago, trovão
É enchente dentro de si
É tempestade, não dá pra dizer que não

por luciana às 19:14

DAISI - Prosas do Tema - Tempestade



Daisi Oliveira de Souza
Murmúrios da alma




Alma inquieta,
Alimenta a quietude...
Renuncia aos teus quereres.
Faz do teu coração um refúgio
Cala tua mente...
Na tua solicitude,
Liberta-te dos subterfúgios
Pensamentos tortuosos
Causam tempestades 
Abre as janelas da tua lama!
Deixa a luz entrar...
invadir....fluir....
Somente assim
O Amor irá se instalar.

Daisi Oliveira de Souza
04.03.2012

Tempestade - Cecília Meireles



Sonia Isotton





Tempestade... O desgrenhamento
das ramagens... O choro vão
da água triste, do longo vento,
vem morrer-me no coração.

A água triste cai como um sonho,
sonho velho que se esqueceu...
( Quando virás, ó meu tristonho
Poeta, ó doce troveiro meu!...)

E minha alma, sem luz nem tenda,
passa errante, na noite má,`
à procura de quem me entenda
e de quem me consolará...
Cecília Meireles

Tempestade



Sonia Isotton





- Menino, vem para dentro,
olha a chuva lá na serra,
olha como vem o vento!

- Ah! como a chuva é bonita
e como o vento é valente!

- Não sejas doido, menino,
esse vento te carrega,
essa chuva te derrete!

- Eu não sou feito de açúcar
para derreter na chuva,
Eu tenho força nas pernas
para lutar contra o vento!

E enquanto o vento soprava,
Enquanto a chuva caía,
que nem um pinto molhado,
teimoso como ele só:

- Gosto de chuva com vento,
gosto de vento com chuva!

(Henriqueta Lisboa)


SONIA - Prosas do Tema = Tempestade




Sonia Isotton




Saudade de olhar esses pingos
grossos de chuva e sentir o cheiro
da terra molhada invadindo a morada.

Saudade de não dizer nada, ser apenas
aquela mulher que poucos conhecem,
pelo olhar.

Saudade de abraçar a tempestade, como
eu fazia quando menina, e achar lindo a
cor das folhas escurecerem e os troncos
adormecerem encharcados.

Saudade de me misturar nessa chuva
e escorrer pelas ruas, molhar as matas
e os rostos cansados.

Saudade de alguns dias tão presentes
Saudade desse amor maduro que escurece
em meus olhos, toda vez que chove.

Reconheço-me de um verde amanhecido
encharcado pelas águas que me colorem.


Você faz parte daqui