PROSAS EM VERSOS

SER POETA, É SENTIR AFLORAR DA PELE SENSIBILIDADE, É OUVIR O GRITO DOS QUE NADA DISSERAM, É VER POR UMA GAMA DE CORES INVISÍVEIS À MACROSCÓPICA VISÃO DOS INSENSÍVEIS, É PENETRAR IMPIEDOSAMENTE À ALMA HUMANA.

domingo, 15 de julho de 2012

JORGE MORAIS - Foto = ALAZÃO


Jorge Morais





de negro vestido
elegância no trotear
força focalizada
trovão chamado
relinchar estonteante
crinas de vento cortantes
sangue puro
dócil fiel
que em vales 
danças teus bailados
galopantes
guerreiro fostes
em tempos passados
lavrador de sementes de trigo
passeador de volteies
cujos contornos 
a beleza se assemelha
justiça transportas
zorros amordaçados
liberdade expressa
velocidade lancinante 
quixotes carregastes 
moinhos de vento
e muito galopas
no tempo

jorge morais


BASILINA - Foto = LIBERDADE




Basilina Divina Pereira
LIBERDADE





É a força do pensamento
no espaço que é só seu,
é aquela vontade única 
que ainda ninguém tolheu.

É o canto do sabiá
ondulado de emoção
entre as folhas da mangueira 
numa tarde de algodão...

... o horizonte em alto mar
com a brisa de encontro ao peito,
o poeta em utopia
rumo ao poema perfeito.

Basilina Pereira

MÔ - Tema = Salpicos (RASTRO)



Mô Schnepfleitner
RASTRO



Por que
querer mais
desta vida..
Um salpico aqui
de amor
outro salpico ali
de pura alegria
E assim
vamos somando
e tudo salpicando..
para no final,
olharmos para atrás
e avistar 
o lindo rastro luminoso 
que deixamos.

Mô Schnepfleitner

SALETE - Foto = FALOPE DO AMOR



Maria Salete Ariozi
Galope do Amor



É no galope deste Amor

Que me perco entre os risos
De verdes campinas... 
Levando-me ao encontro de
Lindos riachos perdidos
Recheados de puro sabor !



Sigo neste Trote festeiro
Provocando iluminada.
Feito o céu que clareia com seu
Brilho as pradarias floridas.
Fazendo-me sentir o perfume
Da Primavera que enfeita
Este instante de Amor ! 



Nesta cavalgada louca 
Juntos nos perdemos entre os
Mistérios das matas que cantam
Apontando o caminho certo 
Sem demora da linha 
De Chegada !

((Salete))-Julho-2012

MÔ - Foto = CAVALGANDO



Mô Schnepfleitner
Cavalgando


Momentos e lembranças...
nesta vida,
algumas, a gente
nunca esquece
Em sonhos
Ele sempre volta,
a galopar comigo
pelas areias da praia
ao entardecer...
E neste misto 
de lembrança e sonho
nós cavalgamos juntos
até a eternidade.

Mô Schnepfleitner

SALETE - Tema = Salpicos (AQUARELA)


Maria Salete Ariozi
Aquarela



Misturando numa tela borrifos de vida...
Faço uma pintura com cores quentes,
Deixando fluir tons fortes da minh’alma 
Dando formas... Forma de gente.

Salpicos de tintas uso com destreza, vou
Trabalhando os mistérios desta pintura,
Que rapidamente busca uma música que 
Embale o sono...
Sono desta criança que habita em mim 
Com as cores da ternura...

Vou tingindo em pequenas pinceladas 
Encantos, muitas saudades com candura. 
Aos poucos as pequenas gotículas criam
Volume de vida, enormes pinceladas.

A tela vai tomando forma de vida...
Aquarela viva iluminada por mil cores,
Vibram em nostalgias mil amores que
Cantam melodias numa ciranda onde 
Cintilam fluorescente todas as nuances 
Das minhas fantasias...

((Salete))-Julho-2012

FÁTIMA PESSOA - Tema = Salpicos (SONHOS DE CRIANÇA)



Fatima Pessoa
Sonhos de criança




Como bolhinhas de sabão

Como gotinhas de orvalho
Sigo saltitando
Salpicando
Espalhando a minha imaginação
Com afeição
Com o coração!
De alegria
Com fantasia
No ar
No mar
E vou andando
Relembrando
Sonhando
Formo um arco íris no chão
Com minhas bolhinhas de sabão
Respingando
Sorrindo
Cantando
Saltitando
Salpicando
Alegria
Lembranças
Esperança
Como se fosse
Uma criança!
Esperando 
Sonhando
Pelos belos tempos
Que virão!
(Fatima Pessoa)

DAISI OLIVEIRA - Tema = Salpicos (DIÁRIO)


Daisi Oliveira de Souza
Diário





Meu diário está lindo!
Percebi que meus dias
São salpicados de emoções.
Obrigada meu Deus!
Por fazer de cada um deles
Uma linda poesia.

Daisi Oliveira de Souza


ANIBAL - Tema = SALPICOS


Aníbal Bastos
SALPICOS




Uns salpicos de água fresca,
Sobre o rosto, ou a testa,
De quem sofre um fanico,
Acorda e até refresca;
Sendo por isso que presta,
Muitas vezes um salpico!

Uns salpicos de água-benta,
Que o padre-cura benzeu,
Por vezes dá resultado,
A quem de fé se alimenta:
Abre as portas do céu
E, retira o mau-olhado!

Uns salpicos de verdade,
Tendo por base a razão,
São os que fazem mais falta
Para limpar da sociedade,
Do hipócrita e do burlão
Abrindo os olhos à malta!

Uns salpicos de lucidez,
Caindo de vez em quando,
- Não digo todos os dias –
Mas trinta dias por mês,
Para mostrar o Sol brilhando,
Em vez de noites sombrias!

Uns salpicos de ventura,
Para afastar a desgraça,
Desta vida amargurada,
Pode evitar a loucura
Que ronda a nossa praça,
De miséria salpicada!

Para muitos os salpicos,
Deveriam ser usados,
Com toda a frontalidade,
Com o recheio dos penicos,
Para certos laureados,
Mostrar quem são na verdade!

A. Bastos (Júnior)

BASILINA - Foto = OUSADIAS




Basilina Divina Pereira
OUSADIAS




Meu passo é feito de pequenas ousadias.
Elas invadem os instantes vazios,
enquanto meu corpo escuta
a chuva desafiando as folhas trêmulas
e eu me vejo saciada de pensamentos.
Nada se perde na fluidez da manhã.
Com a alma umedecida de cor,
aspiro o murmúrio da brisa
e invento pequenas liberdades,
maldades suaves
que vão roubando a irreverência das flores.
Apanho, então, seu colorido assustado
e vou ungindo minhas pegadas
feito um cavalo selvagem,
desafiando a manhã.

Basilina Pereira

PAULA TEIXEIRA - Foto = DOM CAVALO


Paula Teixeira
DOM CAVALO.






Dom Cavalo , nobre cavalheiro 
De batalhas curtidas a galope com farosteiros
Sapateando com as patas de ferro
Saltando , sorrindo e saludando 
Entras na aldeia dos marineiros
De gesto cavalheiroso 
Acenas com a cabeça
Convite a um baile 
De cabelos ao vento
Como redes de pescas
Sem peixes dentro 
Somente magia , amor e movimentos ...
De natureza selvagem,
Cheiro forte , duro como a morte , 
Simbolo de fortaleza e beleza . 
Dom Cavalo , nobre cavalheiro.

Paula Teixeira.

SALETE - Foto = TROTE MATREIRO


Maria Salete Ariozi
Trote Matreiro



Quero no seu trote matreiro
Entregar-me por inteiro 
Matar minha sede 
Na fonte da sua fome ...

Quero ir do Sul ao Norte
Neste galope atrevido
Deixar-me conduzir pelas
Rédeas dos nossos desejos.

Quero cavalgar buscando 
Neste caminho sem fim pelo
Desejo do corpo que tem sede
E pede a todo instante pelo 
Seu beijo...

Quero te sentir cavalgando
Nas nuvens de uma saudade
Que faz em mim um deserto
Sem ter você por perto.

((Salete))-Julho-2012

MÔ - Tema = Salpicos (BEIJOS)



Mô Schnepfleitner
BEIJOS



QUERO
TE SALPICAR
DE BEIJOS...
DOCES,
AMOROSOS
E APAIXONADOS.
E, POR FAVOR -
QUERO
QUE TU
SALPIQUES 
DE VOLTA...

Mô Schnepfleitner

FÁTIMA CUSTÓDIO - Tema = SALPICOS




Fátima Custódio




Num crepúsculo tardio 
Aventuro-me na noite 
E levo comigo 
Salpicos de medo. 

E as névoas densas 
Deste caminhar 
Entre a esperança 
E a angústia 
Nada são mais 
Do que a paz intranquila 

Sigo os teus passos 
Mas o que me assusta 
São os ecos dos meus… 

E, desamparada 
Nos muros da noite, 
Só o silêncio se faz ouvir 

Nas vozes miragem, 
No sal da pele 
E na água nos olhos 

Fátima Custódio


ANGELA MENDES - Tema = Salpicos (PELA VIDRAÇA)





Angela Mendes
Pela vidraça




Observo pela janela
os salpicos da chuva
na minha vidraça
que se embaça
com a minha respiração.
Leio meus pensamentos,
ouvindo as batidas do meu coração.
Ouço o farfalhar das folhas
fustigadas pelo vento,
inquieto e atrevido.
Com esses sentimentos
corro de braços abertos na chuva
e as lágrimas caem
e escorrem pelo meu rosto
misturando-se, tímidas,
às gotas d'água no chão.
Será que a dor foi embora?
De alma lavada,
volto a olhar a chuva pela janela...

(Ângela Mendes, 15/07/2012)

ANGELA MENDES - Foto = SER LIVRE







Angela Mendes
Ser livre



Essa sensação de liberdade
de correr pela campina,
cabelos ao vento,
respirando os aromas
da natureza
me retorna à infância
numa cidade pequenina.
E tudo parece um sonho
tão distante...
Queria voltar a ser livre
como um potro selvagem,indomável...
sem rédeas que o prendam
correndo pela campina
crinas ao vento...
Somos livres - ele e eu -
numa sensação de plenitude.
Algo me tira essa liberdade,porém. 
Essa ânsia incontida,
escondida,
mergulhada na saudade:
pois do teu amor
ainda me sinto refém...

(Ângela Mendes, 15/07/2012)


FATIMA PESSOA - Foto = SPIRIT II




Fatima Pessoa
SPIRIT II



Como se bailasse no ar...
Imponente
Magestoso
Alheio aos aplausos
Perfeito
Vitorioso
Ele salta
Mais que pula
Quase voa
Dança
Acompanha o rítmo
Como se fosse de uma música
E o coração
Da sua amazona dispara
Deixando-o voar
No ar
Com emoção
Como um grande Campeão!
(Fatima Pessoa)

DAISI OLIVEIRA - Foto = SABEDORIA ANIMAL




Daisi Oliveira de Souza
Sabedoria animal



Carrego em meu dorso fardos 
De longas distâncias percorridas,
Atravessei as trevas para encontrar a luz.
Como um poderoso cavalo 
Correndo pelas planícies
Buscando a visão da chuva púrpura.
Neste corpo de animal destemido
Aprendo com a sua sabedoria.
A humildade para servir; muitas vezes levar
Entes queridos nas costas (com compaixão),
Força para atravessar os pântanos,
Alegria em partilhar os “presentes” 
Adquiridos durante a longa jornada.
Amar por amar, sem nada em troca desejar. 

Daisi Oliveira de Souza

BASILINA - Tema = Salpicos (GOTAS)





Basilina Divina Pereira
GOTAS



Se planto meus sonhos no medo
eles podem nascer sem cor.
Difícil é cavar a rocha que grita
e equilibra-se o tempo todo
rente ao desfiladeiro,
mas a semente plantada no arco-íris
canta, dança e mesmo depois...
muito depois...
salpica cores na lembrança.

Basilina Pereira

FÁTIMA CUSTÓDIO - FOTO = OS CAVALOS TAMBÉM SONHAM


Fátima Custódio
Os cavalos também sonham



Entre as nuvens incolores há um cavalo que voa 
Um cavalo sonhador, dormindo em cama de espuma 
O medo rouba-lhe as lágrimas, a fome lhe dói o nome 
Dentro dele tem o tempo, os minutos que se escorrem

Nesse coração sentido, nesse cavalo a galope... 
Ou num trote de evasão, ou silêncio imortal... 
Vive do sangue quente, do mesmo vento que toca, 
O mesmo sal das salinas, agreste, queimando os olhos 

E, os meus olhos, alquimia, cavalos no céu de fogo... 
A mesma brisa sulcamos, sonhos não prometidos,... 
Oiço um pássaro, já é tarde...já nem são horas... 
De escutar de qualquer canto...a melodia... 

Num sopro talhado ao vento, solto os ais que me doem 
Deixo as paredes escutar, aquilo que ninguém pinta, 
Não falo da terra, nem da vida, nem da pesada pena, 
De todos os versos rasgados que atirei pela janela... 

Falo da dança guerreira, e os meus dedos não param 
Sem freio, sem trela, relinchando sem paragem... 
Trotando pela cidade, pelas ruas e vielas.... 
Um cavalo indomável...fugindo das minhas letras... 

Hoje não tenho sonhos, mas escrevo este cavalo... 
De fogo, vermelho e quente...em forma de coração, 
Cinzas da noite a galope, risco no céu de prata... 
Esqueci a voz do tempo, quando o cavalo sonhou...

Fátima Custódio

BASILINA - Tema = Salpico (BEIJO ACESO)


Basilina Divina Pereira
BEIJO ACESO





Um beijo aceso
salpicado de luz
em lábios de orvalho
e língua de mel.
É tudo que retorna,
enquanto o céu se veste de cores
e meus olhos de lembranças.
As lágrimas, coloridas da chuva,
não são menores que minha saudade.

Basilina Pereira

FÁTIMA CUSTÓDIO - Tema = SALPICO




Fátima Custódio



Deixa-me partir 
Para onde o entardecer 
Filtra a noite,
Num salpico 
No crepúsculo 
Tardio e malancólico. 

Deixa-me partir 
Nesta junção desmembrada 
Quando os silêncios 
Num salpico
Se desfazem 
Nos absurdos 

É louca esta vontade 
Com que quero traduzir 
Num salpico
A asfixia nesta tarde 
Quase a rasgar a noite 
E a partir ao entardecer 

Deixa-me partir... 

Voltarei na madrugada 
Tecida de folhas verdes 
E de sonhos renascidos 

Deixa-me partir... 

Albergam-me a noite nua 
E as naus de todo o meu mar 
Sinto a distância vazia 
Mas tão cheia e tão rasgada 
De salpicos!

Quero partir e não posso... 

Fátima Custódio

MÔ - Tema = SALPICOS


Mô Schnepfleitner
Salpicos




Dia cinza lá fora
Dois corpos ardentes
se encontram
no calor 
de seu próprio fogo..
Lá fora 
a chuva cai
e salpica a vidraça
com suas gotas geladas..
Não importa
o mundo e o frio
entre eles 
as faíscas 
salpicam...
como estrelas...

Mô Schnepfleitner

MÁRCIA - FOTO = ME LEVA




Márcia Regina Lopes
Me leva



Passou por mim
Galopes firmes
Veloz e confiante
Por um instante
O som do seu trote
Me fez sentir mais forte
Afetou minha respiração
Agitou meu coração
Como era belo
Imponente, altivo e livre 
A própria realeza
Combinada com a beleza
Foram segundos 
O som foi sumindo
A imagem diminuindo
Pensei em correr
Mas não posso esquecer
Estou cansado demais
Mas.... ele por nobreza
Bem que podia ter 
Me levado
Da próxima vez quem sabe
Me faz a gentileza!

(Márcia Lopes 15/7/12)

MÁRCIA REGINA - Tema = Salpicos (MÃE COZINHANDO)




Márcia Regina Lopes
Mãe cozinhando



Abro a porta
O cheiro me invade
Passado e presente 
Me fazem parte
As panelas borbulhando
Fico ali observando
A sua alquimia e comandos
Os salpicos dos temperos
Entre um experimento e outro
Prova...prova...vê se está bom!
Essa é a melhor parte
Meu paraíso particular
Eu posso provar e desaprovar
Abro todas as panelas
Sou a filha predileta
E agora dá licença
Que vou sair da dieta

(Márcia Lopes 15/7/12)

Dentro da Gente





Angela Mendes





Tem palavras de amor
que saem da boca da gente
que não sabemos de onde vem
só quem sabe é a musica que toca,
...que dança,
dentro da gente.


Tem vezes que a gente
Parece um poema, fica doendo,
De repente explode, lá de dentro.
Se desmancha numa folha de papel
e depois revela o que existe,
...que pulsa,
dentro da gente.

Tem pessoas que entram
na vida da gente,
E não entendem por que,
Nem sabem o que fazem lá dentro
Só quem sabe
é quem sente
a alegria que preenche,
...que fica,
dentro da gente.

(Marcos Tavares)

ERENI - fotos = MEU CAVALO


Ereni Wink
Meu cavalo



Aqui estou
De volta ao meu passado
Sentimentos de liberdade aflorando
Tiro a roupa de madame ...
Me visto de amazonas
Cabelos jogados ao vento
Sentindo o frio de julho
Bater forte em meu corpo...
Feliz visito as baias
Chegando a número cinco
Encontro meu companheiro
D e incríveis cavalgadas
Meu cavalo negro
De nome relâmpago
O animal relincha
E oferece-me seu lombo
Depois de um afago na crina
Galopamos coxilha afora
Meu cavalo me entende
Sabe os laços
Que aqui me prendem
E com um galopar certeiro
Me leva a beira do lago
Onde meu peão me espera.

Florianopolis 15/07/2012 Ereni Wink

Você faz parte daqui