PROSAS EM VERSOS

SER POETA, É SENTIR AFLORAR DA PELE SENSIBILIDADE, É OUVIR O GRITO DOS QUE NADA DISSERAM, É VER POR UMA GAMA DE CORES INVISÍVEIS À MACROSCÓPICA VISÃO DOS INSENSÍVEIS, É PENETRAR IMPIEDOSAMENTE À ALMA HUMANA.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

FÁTIMA PESSOA - P. da Foto = VULCÃO


Fatima Pessoa
Vulcão





Das profundezas da terra
Em direção ao exterior
Eis que surge...
Devastador!
Ardente!
Que se revela...
Destruidor!
De grandeza...
Absoluta!
Como o amor...
Como a paixão...
Que invade o coração!
É assim o vulcão...
Mas assim como o amor...
Às vezes...
O gigante adormece!
Para mais tarde despertar...
Mais belo!
Mais calmo!
Mais contido...
Ou até mais explosivo!
Mais ativo!
Incandescente!
Surpreendente!
(Fatima Pessoa)

FÁTIMA PESSOA - P. do Tema = RENÚNCIA


Fatima Pessoa
Renúncia




Prefiro que você saia...
Devagarinho...
Dos meus pensamentos...
Das minhas lembranças...
Da minha vida!
Mesmo que eu sinta saudades!
Mesmo que eu passe a viver...
No meu mundo de sonhos...
De ilusão...
De passado, não!
Pois quero ser feliz! 
Viver intensamente!
Seguir em frente...
Pois sem confiança...
Sem esperança...
Prefiro ...
Desistir...de você!
(Fatima Pessoa)

ERENI - P. do Tema = RENÚNCIA (SÚPLICA)




Ereni Wink
SUPLICA



Amado...
Peça-me uma estrela
Eu te darei uma constelação
Peça-me o sol ...
Eu te darei dias de brilho e calor
Peça-me a lua...
Eu te darei noites claras ,noites de amor
Amado...
Só não me peças para renunciar a ti
Pois ai então eu morreria.



FLORIANÓPOLIS 01/07/2012 Ereni Wink

ERENI - P. da FOTO = VULCÃO




Ereni Wink




A chuva fria... Cai
Molhando as folhagens
Que bailam ao som dos ventos
No vazio do meu silencio
Minhalma sofre
Ao sentir
A noite avizinhar
Envolta em trevas 
Chegando sem piedade
Deixando no ar
A volúpia dos abandonados
Meu coração
Rubro escarlate sangra
Está sedento de brilho
Sedento de encantamento
Quero um amor
Que embale minha dor
Que apague meus tormentos
Que leve para bem longe
O uivo dos ventos
Quero um amor
Que traga para meu peito
O calor dos vulcões
Fazendo explodir meus sentidos
Até então adormecidos


Florianópolis 30/06/2012 Ereni Wink.

ERENI - P. da FOTO = DESEJOS



Ereni Wink
DESEJOS




Sinto meu corpo cansado
Por desejos incontroláveis
No meu peito... Explodiu uma paixão
Que corre em minhas veias
Como lavas de um vulcão em erupção
Essa paixão proibida
Está fazendo-me ver a vida
Em tons muito coloridos
Tento apagar esse fogo
No branco da meditação
Porém... O vermelho persiste
E meu coração não resiste
Entrego-me ao proibido
Ao fogo que me consome
Saciando minha libido
Depois... do desejo saciado
Em fontes de águas claras
Repouso meu corpo cansado
Um repouso merecido
A uma guerreira destemida.


Florianópolis 30/06/2012 ereni Wink


BASILINA - P. da FOTO = ESTADO DE EBULIÇÃO



Basilina Divina Pereira
ESTADO DE EBULIÇÃO





O suor no canto do olho,
toda a ansiedade fora de controle,
provocam a ira do vulcão.
Os pensamentos que aqui navegam
são ousados...
assanham os peixes de piracema,
distraem os ursos de sua fome antológica
e, pelo caminho que vai dar na fonte,
conduzem sonhos incandescentes,
enquanto os desejos não se rendem
e continuam em ebulição rio acima.

Basilina Pereira

ERENI - P. do Tema = RENÚNCIA




Ereni Wink
RENUNCIA


Entre os arranha céus 
Vislumbro um pedacinho do céu
Nesse azul eu me perco
Fico a divagar
Recordo o azul dos teus olhos
Que por força do destino
Tive que renunciar
Como uma maquina do tempo
No passado retornei
E quis voltar aos braços 
Do homem que eu tanto amei.

Florianopolis 01/07/2012 ERENI WINK


ANIBAL - P. do Tema = RENÚNCIA




Aníbal Bastos
RENÚNCIA




Por pensar não poder dar-te a felicidade,
- Quando o que mais queria, era ver-te feliz -
Tentar de lado pôr o coração, foi o que fiz,
Julgando praticar um acto de pura bondade!

Golpear um amor de morte, é crueldade!
Secar uma árvore, cortando-lhe a raiz,
É deixar no coração uma eterna cicatriz
Que não fecha, porque sangra, de dor e saudade!

A tristeza da alma é voz e é pronúncia,
De uma acusação severa e incessante
Que do amor ninguém deve fazer renúncia!

Renunciei de ti, mas a chama ainda arde,
Sonhando abraçar-te por um breve instante,
Oiço exclamar: - É tarde demais, é muito tarde!

A. Bastos (Júnior)

ANGELA MENDES - P. da FOTO = CINZAS


Angela Mendes
Cinzas





Vulcão
sedução
lavas que escorrem
quentes
envolventes
arrasam
devastam
e sobram cinzas
poeira
tornando a atmosfera
triste e sem cor
como a desilusão
num coração
que sofre 
e por ti espera!!!

(Ângela Mendes)

MÔ - P. da FOTO = LAVA


Mô Schnepfleitner
Lava




Sou 
como lava
escaldante..
Escorro 
vulcão abaixo,
levando tudo comigo -
paixões
amores,
saudades..

Mô Schnepfleitner

MÔ - P. do Tema = RENÚNCIA


Mô Schnepfleitner
RENÚNCIA




NÃO!!
Eu lhes digo não,
com veemência.
Não se pode
nem se deve
renunciar 
às lembranças,
felizes
ou não..
Acho que é
por que elas 
trazem consigo
o cheiro 
da flor de laranjeira.

Mô Schnepfleitner

ANGELA MENDES - P. da FOTO = MEU INTERIOR



Angela Mendes
Meu interior



Teu olhar 
só vê o meu exterior
não sabes o que vai dentro de mim...
Uma profusão de sentimentos,
como lavas escorrendo
em rubro carmim.
Belos instantes guardados secretamente
mas que bastaria um toque
para explodir numa imensidão de cores,
parecendo arco-íris,
sinfonia de amores,
multiplicando-se em silêncios
ocultando as dores...
E adormeço, calada...
Quisera acordar no abandono
desses laços 
e na noite ser embalada
aprisionada nos teus braços...

(Ângela Mendes, 01/07/2012)

LIGIA - P. do Tema = RENÚNCIA





Ligia Shlochmann




NÃO VOU, NÃO QUERO
RENUNCIAR A NADA
QUE ME FAÇA FELIZ
VOU TRILHANDO SÓ
ENTRE UM LERO LERO
QUE FIZ....SEJA
SEMPRE AMIGA DAQUELE
QUE TE DIZ......SEJA NO LERO
LERO.....UM APRENDIZ
RENÚNCIA DEMAIS JÁ FIZ
POR ORA...SÓ QUERO SER ABSOLUTAMENTE FELIZ.
Ligia Shlochmann 
inverno/junho/2012.

JOSÉ CARLOS - P. do Tema = RENÚNCIA (Adeus Minha Amiga)




Jose Carlos Ribeiro
Adeus minha amiga




O que eu tenho para lhe dizer não é fácil
E eu te peço desde já desculpas
Mas desta vez eu me decidi
Com você eu pego minhas distâncias

Eu queria muito te amar
Fazer o caminho junto com você
Mas entre você e eu esta muito complicado
Eu renuncio desta vez

Você representou muito na minha vida
Que é difícil de renunciar
Meu coração te reclama em grandes gritos
Eu jamais poderei esquecer você

Mas eu tenho de fazer uma escolha
Eu sei que essa escolha é dolorosa
Eu tenho de renunciar a você
Esquecer o que nós dois vivemos

Adeus minha amiga
Tudo em mim é só dor
Eu te deixo com o coração pesado
Eu vou, eu vou para outro lugar

Eu vou sentir sua falta
Mas eu pensarei sempre em nós os dois
Eu queria lhe dar meu último beijo
Um beijo de adeus

J.C

.

ERENI - P; do Tema = RENÚNCIA



Ereni Wink





Alma vazia
Frio intenso...
Abro a porta, o vento gélido me abraça.
Saio... A caminhar por nossa senda
Sem destino certo
Alma vazia...
Pensamentos dispersos
O barulho do silencio me apraz
Você deixou meu coração assim....Calado
Meus sentimentos... Afogados
Meu andar ....cadente
Nuvens densas chegaram
Os pássaros outrora cantantes... Emudeceram
As arvores se despiram... Para minha dor compartilhar
Até o sol se escondeu 
Para essa triste renuncia 
Não vivenciar.


FLORIANOPOLIS 27/06/2012 Ereni Wink

DAISI - P, DA FOTO = MONTANHA ARDENTE



Daisi Oliveira de Souza
Montanha ardente


Liberto-me de um passado,

Como um vulcão que expele suas cinzas.
Usarei minha lava para aquecer meu presente
Renovar-me. Sem passado, sem miragens.
Montanha ardente de vida. 

Daisi Oliveira de Souza


BASILINA - Prosas da FOTO = PALCO




Basilina Divina Pereira
PALCO



O amor é uma quimera
ou algo que cabe na mão?
Muitos nascem destinados
a viver de ilusão,
andam por praias desertas
mergulham na escuridão,
procuram peixes na areia,
frutas fora da estação.

Mas há os que colhem flores
não importa o inverno ou verão
nem quantas pedras leva o rio,
se está livre o coração
pra dançar com a lua cheia
e espantar a solidão,
amar até que toque o sino
e apague com um beijo o vulcão
que a vida sem sonho é nada,
é palco sem emoção.

Basilina Pereira

SIMONE - P. do Tema = RENÚNCIA






Simone Ribeiro

Renúncia



Hoje, renuncio!

À minha vida ingrata!



Trancada em meu eu, 
me espanto
me encanto 
e me transformo!



Faço da minha vida
uma prisão...
Fico presa em mim
presa em meu interior!



Jamais deixo ninguém entrar!



Me tranco nesta sala
fechada, funesta
à espera de alguém!



Esse alguém não vem...
Não vai aparecer.
Descer de seu patamar 
e à mim abraçar...
Chegar e me amar...
Falar...
Jurar amar até......



Isso nunca irá acontecer...
Ele vive num mundo fora
Alheio ao meu...



Meu mundo é isolado e perdido...
Largado....
À procura de luz!



Eis que a vejo...
Lá, ao longe...
Distante!



Que existência é essa de promessas,de juras...
Mas só injúrias me falam?



Quero paz, 
quero luz....
Quero amor....



Renúncia....
Eis minha sina.....



No final? 
Quando lá chegar, 
ao final do caminho...



O que acharei?
Ainda não sei, mas será paz....

MÁRCIA REGINA - P. do Tema = RENÚNCIA



Márcia Regina Lopes
 RENÚNCIA





Você chegou assim...

Não sei, quero dizer
Sei quando chegou
Não sei quando entrou
Como conseguiu? 
Com portas, janelas e frestas
Fechadas, remendadas, cimentadas
Não era pra vir...não era pra chegar
Por que chegou? Por que fez isso?
Eu nem percebi , você não pode!
Não vai me desequilibrar
Desestabilizar, me desmoralizar
Não agora, agora não!
Renuncio a esse sentimento
E tudo o que ele me traz
Não se preocupe comigo
Muito menos me chame de medrosa
Sou sim muito corajosa
Estou renunciando a força 
E a beleza que impulsiona a vida
Amor pode ir...
Minha renúncia é certa
Posso não estar sendo correta
Mas hei de conseguir
Seguir sem ti.


LIGIA - P. da FOTO = VULCÃO




Ligia Shlochmann
 VULCÃO




COMO JÁ DISSE ESTOU EM CONSTANTE ERUPÇÃO

SOU LAVAS ESCANDECENTES SEMPRE
NUNCA ME ESCONDO COMO OS VULCÕES EXTINTOS
QUE UM DIA SORRATEIRAMENTE, ENTRAM EM ATIVIDADE
PEGANDO TODOS DE SURPRESA.....
VIVO COMO AS LAVAS....CORRENDO MONTANHAS ABAIXO
QUEM CHEGAR PRÓXIMO...SABE COM QUEM ESTÁ LIDANDO
MINHAS FISSURAS SÃO TRANSPARENTES
SOU COMO VULCANO, DEUS ROMANO DO FOGO
QUENTE, BRAVO, ÁCIDO, NERVOSO, TEMPERAMENTAL
POR OUTRO LADO SOU GENEROSA E AMIGA.
PERCORRO DISTÂNCIAS LONGAS.....ARREFECENDO E
SOLIDIFICANDO OS QUE TANTO AMO.

Ligia Shlochmann 

inverno/junho/2012

FÁTIMA CUSTÓDIO - P. DA FOTO = NUVEM BRANCA DO MEU SONHO


Fátima Custódio
Nuvem branca do meu sonho




Neste momento em que o dia desmaia; e aquelas nuvens que voam, levam com elas, as horas vivas que soam, no voo dos pássaros que emigram...
Num horizonte em ruínas, planam gaivotas perdidas que mal sustêm as asas, e o vento, num instante como espada cortante, as arremessa contra os castelos caídos...
Momentos de penumbra, asas seguras retornam rasantes, sobrevoam a imensidão nocturna e choram sozinhas o seu segredo...
Momento de nostalgia; sem desencanto nem desilusão, nem sorriso de fagulha, sem a luz do sol dourado nem a prata do luar; viagem pela janela, abraço de nuvem branca...
Nuvem branca de sentimento, de paixão e pedaços de saudade; numa dança de emoção, meu coração renasce e solta-se por aí, saudade dispersa, trazendo até mim um sonho imenso...
Pétalas de nuvem, e sentada no meio do nada, espero que a chuva desfolhe esta saudade louca nas palavras sem encanto..onde me quero ocultar...
Esta nuvem melodia que navega entre mim e o céu, vai-se perdendo no espaço da minha existência...no meu branco sonho de palavras por dizer...
E amanhã, amanhã, nuvem branca do meu sonho, veste-te de seda e faz brilhar o meu dia...faz-me acreditar que já não abraço a noite...deixa-me sentir os teus passos...sandálias brancas de nuvem...

Fátima Custódio

FÁTIMA CUSTÓDIO - P. do Tema = RENÚNCIA (A Última Valsa)


Fátima Custódio
A última valsa




Venho do asfalto e trago um olhar inocente; venho assistir á última valsa entre o pó do caminho e a areia fina da praia.

Vim a convinte do silêncio da vida. Ofereço-me um renascer no espírito do tempo, recolhido na brisa húmida que os meus olhos não deixam transparecer. Feitos granito têm apenas o toque do vento agreste e sibilante nos acordes da última valsa. Sem estrelas e sem pássaros. Infeliz insanidade neste cansaço sem término queimando as veias exaustas de movimentos imaginários.
Expressõs mortas transportam sacrifícios de pedra e gestos esquecidos na memória sepultam uma gota de vontade.
Um pedacinho de orgulho rola numa fraga desmoronada por entre o silêncio atóz nesta terra gelada que em vão as minhas mãos tentam aquecer.

Paixão e esperança emanam da praia sempre deserta.
Nascem rosas onde as ninfas se perfumam.
O mar é um hino melódico que não oiço.
O caos agita a nudez duma expressão escrita, num momento que se fez passar pela eternidade. E neste trilho ensopado de sonhos, latejam as minhas mãos nuas, num desesperado gesto de tapar os olhos quando eles só vêm o que querem ver.

Sobram os sonhos e os enganos.
Sobra o caos na praia de oiro onde o mar de mil tons já não faz efeito.
Sobra o espaço num embrião solitário, bebendo as noites do nada.

Venho do asfalto e trago um olhar inocente. Ensina-me ao menos a chorar! Sou peregrina e venho assistir á última valsa entre o pó do caminho e areia fina da praia...
E nas horas alucinadas do poente os meus olhos interrogam o céu...

Fátima Custódio

BASILINA - P. da FOTO = TRANSCENDÊNCIA




Basilina Divina Pereira
TRANSCENDÊNCIA



Senti minhas asas queimando em seu olhar.
Aquele fogo derretia minhas sebes
e uma luz me ofuscava como flecha envenenada,
tingindo a água que passou a verter de meus olhos.
Os sons circundantes ecoavam como banalidades
e as cores mais pareciam figuras bizarras
exalando aromas, numa apoteose litúrgica.
E eu, atingida por narcóticos olhares,
senti-me, de repente, envolvida em sedas
tomada, ora de estranho sensualismo,
ora de desejos espiritualizados,
como num sonho macerado de glória,
sedento do enigma daquele êxtase.
Perdi o tempo e a lucidez.
Só vi uma orquestra moendo meus sentimentos
e um vulcão a fremir em meu peito,
volvendo espasmos a voejar em volúpia e brasas.
Esfinge, desencanta-me,
antes que a tarde enlouqueça de vez
e eu comece a dançar sem os pés.

Basilina Pereira

BASILINA - P. da FOTO = ADIVINHAÇÃO




Basilina Divina Pereira
ADIVINHAÇÃO.



Foi um vulcão encimado na distância.

Sem toque.
Sem calor.

Só a visão turvada pelo desejo,
aquela ânsia avessa
por delírios. Adivinhação.

Se teu toque tem carícias de veludo ninguém diz,
mas eu arrisco minha rede em águas fundas.
A incerteza tem seu tanto
de loucura - mais. 

Basilina Pereira

JOÃO P. BRASILEIRO - P. do Tema = RENÚNCIA (Inúteis Renúncias)


João Paulo Brasileiro
Inúteis Renúncias

Ontem, briguei com o Sol por tanto tempo, que ele se escondeu!
Arrependido, quis beijar a lua, mas, ela amanheceu!

Eis-me aqui, de novo...
Tentando aprender
Tentando não ser
Um ser sem calor
Se eu ainda merecer
Meu Deus quero ter
De novo... um amor

Com um coração malcriado
Ladino, malvado
Provocando denuncias
Mostrando o espinho
Escondendo a flor
Provocando a dor
Por bobas e inúteis renuncias!

JOÃO P. BRASILEIRO - P. DA FOTO = MULHER




João Paulo Brasileiro
Mulher




Ah, essa mulher...
Que me surpreende!
Maltrata-me e me beija!
Não me ouve, mas me atende!
Discorda, mas aceita!
Não quer, mas vem!
Nada lhe convence, mas nunca diz não!

Ah, essa mulher...
Que me surpreende!
Diz que nada tem valor, mas dá proteção!
Que não crê, mas promete!
Que nada foi bonito, mas tem saudade!
Que nada é tão puro, mas é coração!

Ah, essa mulher...
Que me surpreende!
Nada faz diferença, mas corre atrás!
Nada é tão importante, mas não abre mão!
Nada é real, mas acredita!
Nada lhe da certeza, mas é só razão!

Não me importo, mulher!
Desistir de mim eu sei que tenta
Mas sabe que meu amor te alenta
Que meu beijo é néctar pra sua vida
Que nossa paz sempre será merecida!

Mulher
Você briga comigo, mas me afaga!
Me expulsa, mas me quer perto!
Ignora-me, mas não me perde de vista!
Duvida de mim, mas não discorda!
Espera que eu durma, e me acorda!
Você se diz só, mas que sempre serei seu!
Vai e volta quando quer...
E quando volta, é como mil vulcões
Derramando lavas de amor
E com seu nó particular...
Une ainda mais... Os nossos corações!

Você faz parte daqui