PROSAS EM VERSOS

SER POETA, É SENTIR AFLORAR DA PELE SENSIBILIDADE, É OUVIR O GRITO DOS QUE NADA DISSERAM, É VER POR UMA GAMA DE CORES INVISÍVEIS À MACROSCÓPICA VISÃO DOS INSENSÍVEIS, É PENETRAR IMPIEDOSAMENTE À ALMA HUMANA.

sexta-feira, 30 de março de 2012

Soneto


Claudio Caldas Faria




Por que me descobriste no abandono
Com que tortura me arrancaste um beijo
Por que me incendiaste de desejo
Quando eu estava bem, morta de sono

Com que mentira abriste meu segredo
De que romance antigo me roubaste
Com que raio de luz me iluminaste
Quando eu estava bem, morta de medo

Por que não me deixaste adormecida
E me indicaste o mar, com que navio
E me deixaste só, com que saída

Por que desceste ao meu porão sombrio
Com que direito me ensinaste a vida
Quando eu estava bem, morta de frio

Chico Buarque

O Profeta




Lúcio Pizzo





Amai-vos um ao outro, mas não façais do amor um grilhão:
Que haja antes um mar ondulante entre as praias de vossas almas.
Encheis a taça um do outro, mas não bebais na mesma taça.
Dai de vosso pão um ao outro, mas não comais do mesmo pedaço.
Cantai e dançai juntos, e sede alegres, mas deixai cada um de vos estar sozinho,
Assim como as cordas da lira são separadas e, no entanto, vibram na mesma harmonia.

Dai vossos corações, mas não confieis a guarda um do outro.
Pois somente a mão da vida pode conter nossos corações.
E vivei juntos, mas não vos aconchegueis em demasia;
Pois as colunas do templo erguem-se separadamente,
E o carvalho e o cipreste não crescem a sombra um do outro.

Khalil Gibran

Amor é um arder, que se não sente


Jose Carlos Ribeiro




Amor é um arder, que se não sente; 
É ferida, que dói, e não tem cura;
É febre, que no peito faz secura;
É mal, que as forças tira de repente.
É fogo, que consome ocultamente;
É dor, que mortifica a Criatura;
É ânsia a mais cruel, e a mais impura;
É frágoa, que devora o fogo ardente.
É um triste penar entre lamentos,
É um não acabar sempre penando;
É um andar metido em mil tormentos.
É suspiros lançar de quando, em quando;
É quem me causa eternos sentimentos:
É quem me mata, e vida me está dando

(Abade de Jazente)

De repente acabou..









Escrevo-te esta carta para dizer que já não sei o que sinto por ti, sei que jamais sentiste por mim o mesmo, nem te culpo por isso, a culpa não existe. Foram anos do teu lado, foram simplesmente perfeitos. Talvez tenha amado de maneira errada, amado involuntariamente, amado desesperadamente. Um amor que jamais senti igual, nem parecido. Amor que causou inveja, por ter sido dedicado a ti a cada minuto do meu tempo, e foi a ti que entreguei os meus preciosos sonhos. Dei-te a semente, mas tu não soubeste que tinhas de a regar. A semente morreu, por não ter vingado, talvez faltasse chuva, não sei. Mas sei que morreu. Atravessei momentos de tristeza quando senti o vazio da tua presença, momentos de total solidão, triste quando eu quis um conselho e não poder ligar para te poder ouvir, triste quando sentia saudade, quando olhava para o mar ou para a Lua e em tudo trazia as recordações. Tentei olhar o lado positivo, naquilo que amadureci com tudo isto, fiquei mais forte. Transformei o vazio de não te ter, em liberdade de poder voar para onde quiser, pensei em continuar a sonhar com aquele dia que voltaria a ter-te nos meus braços, alimentando esperanças, mas resolvi parar, se nada deu certo, não creio que um dia iria resultar, até porque não tinha como ficar a prestar-te atenção, aquela que tu recusas a dar. Porque até quem nunca pediu colo, um dia sente falta. É isso que acontece, eu sinto a falta do teu colo, do teu carinho, mas o mesmo carinho, da mesma forma que eu te dei. Jamais vou ter, paciência. Não se pode colar asas nas cobras, não se poder obrigar ninguém a retribuir o amor que sentimos por alguém. Essa é a lei. O amor que tu não foste capaz de me dar, um dia alguém receberá por livre e espontânea vontade de ti. E o amor que eu senti por ti, e tu achaste que devias recusar em recebe-lo, será um presente para uma outra pessoa mais tarde, que seja eterno enquanto dure, e se acabou, acabou. Há muito que não insisto no que se passou. Afinal, já passou. Já chorei e já sorri; A vida se renova e disso não dá para fugir. 

MC

A Menina e o Canarinho


Ereni Wink




Vi num galho um montinho,
Andei quieta e devagarzinho
Até encostar bem pertinho,
Para saber se era um ninho.

Afastei pro lado um raminho
E vi encolhido num cantinho
Algo igual a um passarinho:
Tinha pernas, asa e biquinho.

Mas achei que ele era feinho
E até tive pena do coitadinho
Todo pelado e enrrugadinho.

Fui embora bem de mansinho
E quando voltei ao parquinho 
Achei um canário amarelinho.

Data Postagem 10/03/2012,
 Autoria: Vinícius Tadeu

Gosto de saudade




Sandra Parizotto





Não sei se saudade tem cor. Dizem que sim. O que eu sei é que ela tem forma. Tem gosto. Tem cheiro. E peso também. E, acreditem, ela tem asas!!! Se não, como nos transportaria tantas vezes a lugares tão distantes? E sei ainda que ela se agiganta quando mais tentamos diminuí-la. Sei que ela dói de dor intensa e sem remédio.
Se não fosse ela, não sei se teríamos consciência do tamanho da importância das pessoas pra gente. Porque quando amamos alguém, a saudade já chega por antecipação, sorrateira, disfarçada de algo que não conseguimos decifrar. É aquela dor fininha de não sei o quê, a angústia boba que nos invade só de imaginar a separação. E a gente fica meio sem saber o que fazer.

Mas é assim... é uma dor que gostamos de sentir, um sabor que queremos provar, é algo que não sabemos explicar, mas é quase palpável. É amor disfarçado de muita coisa. São emoções guardadas bem lá no fundo.
Saudade... do que foi e do que vai ser. Saudade que nos acompanha pra diminuir a solidão e que nos mostra, sobretudo, que estamos vivos.
Aprendi ainda que saudade não mata. É só quase. A gente pensa que vai morrer, mas sobrevive sempre, porque ela traz escondidinha nela uma outra coisa que chamamos de esperança, que nos ajuda a caminhar, porque saudade, como o amor, não é cega, saudade vê mais além.

© Letícia Thompson 

Meu Erro


Jose Carlos Ribeiro



Meu erro foi nÃo seguir os meus principios
Foi esquecer o que sou e me deixar levar
Foi deixar que uma noite me tirasse o sorriso

Meu erro foi esquecer que vocè existe
Foi permitir que a raiva me dominasse
Foi esquecer da sua importancia para mim
Foi, enfim, te magoar

Pesso hoje que me perdoe pelos meus atos
E se um dia puder, volte a confiar em mim
NÃo sei quanto grave foi meu erro,
Mas você para mim é incondicional.


À Solidão




Fernando Martinho






Solidão coroada de rosas, quem pudera
aprisionar teu corpo de sol e de harmonia;
estar dentro de ti toda esta primavera
de sangue, e folhas secas e de melancolia!

Que palpitasse, em sonho, teu coração sonoro
sobre o meu coração sequioso de ideais;
minha palavra fosse uma palavra de ouro
de teus inesgotáveis e puros mananciais!

Ai! Quem, iluminando a sombra alucinada
que de espinhos coroa minha pálida tristeza,
pudesse ser teu amor, oh deusa coroada
de rosas, solidão, — tu que és mãe da beleza!

Juan Ramón Jiménez, 
in "La Soledad Sonora"


IL MONDO DELLA FANTASIA





Maria Rosaria Longobardi Marylon








C’è un mondo diverso,
che è posto di traverso,
un mondo secondario,
abitato da un popolo vario,
che è fuori dall’ordinario.
Ci puoi arrivare con il pensiero,
ma esser lì non puoi davvero
e nessuno finora può esserci stato,
perché si tratta di un mondo inventato.
È il mondo della fantasia,
che ti fa volare via,
immaginando o leggendo
su libri di fiabe
di streghe, di fate,
di maghi, di draghi,
di orchi affamati,
castelli stregati,
sorgenti, cascate,
foreste incantate
con querce, castagni e faggi
e tanti altri personaggi,
che superando ostacoli ed impedimenti
alla fine son sempre  felici e contenti.

Maria Rosaria Longobardi
(“Favole in fiore…fior di favole” - Ed.La Mongolfiera)

Boa noite Insónia


Fátima Custódio





Ainda oiço ao longe o marulhar das ondas, de novo tenho na praia morena dos meus olhos um pestanejar de saudade, nas mãos uma gota de água cansada. 
O escuro do tempo em que te falo, vai dormitando sem pressa, sem dó nem piedade. Espaço nesta loucura, onde não há serenatas. Sou refém duma ausência, ressonando despedidas, beijando o vento gelado. Reflicto-me na lua de ontem. Estava tão brilhante ontem á noite! 
Um cansaço dorme em mim, como os ponteiros amordaçando os relógios e sem marcar qualquer hora. 
Respiro-te num céu negro que se queria azul...sonho longínquo que teima em não terminar... 
Voas para longe, enquanto eu fico aqui presa num castelo sem ameias...vejo-te através da tempestade dos meus pensamentos; não me roubes este pedaço de chão porque eu quero adormecer! 
Onde dormes insónia? Talvez durmas nos cantos das portas fechadas, ou nas minhas pupilas queimadas. 
Vai insónia, hoje não quero dormir contigo; hoje vou dormir num barco á vela, sonhar o mar melodia e renascer na praia onde um dia morri... 
Descalço-me para te dizer adeus... 
Boa noite insónia...

Fátima Custódio

Vivo cada dia



Sousa Clara






Vivo cada dia, aguardando um contacto, um sinal, uma lembrança. Vivo cada saudade, com ternura, recordo os melhores momentos. Enfrento o dia, encaro a realidade, mas nunca me esqueço de ti.

Todos os dias da minha vida vejo-te nos meus sonhos, todos os desejos de felicidade, ofereço-te protecção em todos os teus caminhos. Na escuridão, o teu olhar iluminava-me, guiava-me ao certo. Sinto a tua falta, mesmo sabendo que estou mais próximo de ti do que possas imaginar. Enquanto viver, irei amar-te em silêncio, porque foi o que me restou.

Até que ponto chegou este amor que se transformou em saudades, em lembranças, lembranças boas, lembranças más. Prefiro ficar com as lembranças boas porque são elas é que confortam a minha alma.
Tu disseste que me adoras, mas afastas-te de mim lentamente, quase parada, mas ao mesmo tempo decidida a não voltar. Tu disseste que eu sou teu, mas abandonas-me, deixas-me na amargura, na ansiedade sem notícias tuas.

A que ponto chegou o nosso amor. Que fica nesse vai e vem sem solução. Meu amor! Que bom seria se houvesse um diálogo, aquele chamado de ponto nos is para que possamos conversar e tirar todas as dúvidas que atormentam o nosso pensar e que deixa o nosso coração tão triste, sem rumo a tomar.
Dizem meu amor, que o “tempo cura tudo”, mas o meu tempo adormeceu entre o gelo do inverno passado, mesmo na primavera, com a chegada do verão não conseguiu descongelar totalmente, apresentando uma fria lágrima derramada por ti.

Sabes meu amor, um dia vamos rir de tudo o que aconteceu, por tudo o que passamos, por tudo o que sofremos, a distância, as palavras duras que nos atingiram em cheio, por termos almas sensíveis que não se adequada à rudez de um momento impetuoso. Sei que vamos sorrir muito. Um dia quem sabe meu anjo, possamos encontrar nem que seja na eternidade e de mãos dadas vamos caminhar; caminhar ao encontro da felicidade!

Agora só quero que fiques em paz meu amor, eu amo-te!

Hc Poesias

Comumente é Assim


Claudio Caldas Faria



Cada um ao nascer 
traz sua dose de amor, 
mas os empregos, 
o dinheiro, 
tudo isso, 
nos resseca o solo do coração. 
Sobre o coração levamos o corpo, 
sobre o corpo a camisa, 
mas isto é pouco. 
Alguém 
imbecilmente 
inventou os punhos 
e sobre os peitos 
fez correr o amido de engomar. Quando velhos se arrependem. 
A mulher se pinta. 
O homem faz ginástica 
pelo sistema Muller. 
Mas é tarde. 
A pele enche-se de rugas. 
O amor floresce, 
floresce, 
e depois desfolha.

Vladimir Maiakóvski

Os olhos e o Universo


Ereni Wink




Olhos limpidos que transbordam magnetismo
serenos calmos profundos e transparentes
olhos penetrantes sonhadores e envolventes
que tanspassam como aguçada seta de luz.

A retina focaliza suas sensíveis lentes
e arquiva na mente através da impressão
transmite o belo ao âmago do coração
mensagem iluminada na alma introduz.

Olhos que percorrem a vastidão do espaço
na velocidade da luz explora o firmamento
assiste os meteoros explodirem em fragmetos
olhos que refletem a luz do tesouro celeste.

Os globos gigantescos que rolam no universo
estão sendo observados de um planeta distante
do globo terrestre da terna mãe aconchegante
pelo globo destes olhos que a matéria reveste.

Olhos que revelam as belezas do visível
extasiados mergulham na sutileza da essência fazem refletir da alma toda sua transparência e acendem no olhar os reflexos cintilantes.

Após extasiar-se no manancial da sutil beleza
agradecidos recolhem-se em seu mundo interior
o pensamento se eleva em preces de amor
agradecendo ao criador pela luz desse instante

Data Postagem 09/03/2012,
 Autoria: Noraldino

Ilusões




Aníbal Bastos





Corres atrás de ilusões,
Para esquecer frustrações,
Numa loucura pegada!
E no final da corrida,
Regressas triste e abatida,
Com as mãos cheias de nada!

Para esquecer a amargura
Que te trouxe a desventura
Andas de lado para lado,
À procura da imagem,
Para fugir à miragem,
Espelho do teu passado!

Buscando uma nova chance,
Repetes o mesmo lance,
De jogos anteriores!
Nessa forma de jogar,
Nunca poderás ganhar
E as perdas serão maiores!

Se queres seguir um conselho,
Quando te mirares ao espelho,
Se mantiveres a fé e a calma,
O espelho da inteligência,
-Ultrapassando a ciência -
Talvez reflicta a tua alma!

E talvez nela, tu vejas,
Aquilo que não desejas
E fiques admirada!
Ao veres nele reflectido
Uma imagem sem sentido
Como nada, vezes nada!

Quem nesta vida semeia
Por prazer, a dor alheia
Por mais que seja astuto
Não é de ninguém segredo
Que mais tarde, ou mais cedo
Vai ter de colher o fruto!

A. Bastos (Júnior)




Lúcinha Santos






Eu cresci, virei mulher
abandonei minha boneca pra
viver a vida de gente grande
responsabilidades, filhos
e toda essa chatice de adulto
que querendo ou não
tenho que enfrentar
Só esqueci de avisar que cresci ao meu coração
não tem jeito, não aprende
pula dentro desse peito como fosse uma criança
ele chora, esperneia e teima
é bobo, impulsivo e manhoso
e por mais que eu o ensine
não tem jeito, não tenho força
por que coração de criança
não aprende
ele quer é viver, ter emoções, adrenalina
A razão diz calma ele diz tenho pressa
a razão diz chega ele diz mais uma vez
E nesse impasse dentro de mim
entre a razão e o coração
vou vivendo como numa gangorra
com os sentimentos a flor da pele
a razão com os pés no chão
e o coração sempre no alto
entre sonhos, entre nuvens
razão de mulher, coração de menina
assim sou eu
simplesmente tentando ser feliz 
.............Lú

O Mágico pincel


Ereni Wink




Nas tardes quentes de verão
eu contemplo a exposição
do sol, astro rei pintor,
com seus quadros mais diversos,
espalhados no universo
obras raras de valor.

Eu contemplo fascinado
este céu iluminado
no azul da imensidão,
sinto uma grande calma
que invade a minha alma
e faz bem ao coração.

Este sol que brilha tanto
e transporta todo encanto
neste formoso painel,
no cenário da beleza
vai traçando com destreza
o seu mágico pincel.
Data Postagem 24/02/2012
, Autoria: Noraldino

E se de repente…




Lúcinha Santos






Do vento se soltassem dedos,
Da noite se iluminassem sonhos,
Das brisas caíssem palavras…

E se de repente…

Dos dedos escorressem versos,
Dos sonhos se acordassem luas,
Das palavras se gritassem musicas…

Tu serias uma brisa feita vento numa noite de paixão.

Ricardo Silva Reis

Coração Blindado:


Ereni Wink




Por mais que seja blindado um ser pela maldade.
Por mais que seja uma alma refratária e cruel.
Por mais que seja rústica uma individualidade,
haverá no amargor dessa alma uma gota de mel.

A centelha divina, concedida à cada criatura,
atributo sagrado que vibra em cada consciência,
conduzirá um dia do profundo abismo às alturas,
os proscritos, que naufragaram em turbulência.

Refulgirá das fronteiras nebulosas da maldade
uma relutante e difusa aurora, de suave claridade.
Fará dissipar as trevas da maldade que encarcera.

Neste mundo sombrio, onde os notívagos habitam,
descerrará no horizonte o portal que os possibilitam
de banharem-se na pura fonte do amor que regenera.

Data Postagem 28/03/2012,
 Autoria: Noraldino

Todos os amores deveriam ser possíveis.


Claudio Caldas Faria




"Todos os amores deveriam ser possíveis.
Pessoas não deveriam chegar nem antes nem depois.
Tudo deveria ser exatidão.
Pontualidade vital para que o amor aconteça.
A Terra deveria girar com esse único propósito:O encontro das almas.
O resto seria resto.
E tudo seria pra sempre
Brilhar pra sempre.
Brilhar como um farol.
Brilhar com brilho eterno.
Gente é pra brilhar.
Esse é o meu slogan.
E do sol."

Maikóvisk

Quero Amar-te


Jose Carlos Ribeiro



Quero amar-te como ninguém te amou;
Em toda a parte quero ter-te sem fim;
Como se fosses tu uma parte de mim;
Amar-te até desconhecer quem sou;

Quero encontrar-te se ninguém te encontrou;
Passear contigo entre as flores do jardim;
Colher as mais perfumadas que o jasmim;
Para que por ti saibas quem se apaixonou.

Quando te imagino sabes o que eu vejo:
Alguém que encheria todo o meu ego;
Por isso encontrar-te é o que eu almejo.

e se não podes amar-me por medo
Aqui te deixo um secreto desejo:
Seremos amantes em grande segredo!


amante secreto

Canção de Amor



Fernando Martinho






Eu cantaria mesmo que tu não existisses,
faria amor, assim, com as palavras.
Eu cantaria mesmo que tu não existisses
porque haveria de doer-me a tua ausência.

Por isso canto. Alegre ou triste, canto.
Como se, cantando, tocasse a tua boca,
ainda antes da tua presença.
Direi mesmo, depois da tua morte.

Eu cantaria mesmo que tu não existisses,
ó minha amiga, doce companheira.
Eu festejo o teu corpo como um rio,
onde, exausto, chegarei ao mar.

Sim, eu cantaria mesmo que tu não existisses,
porque nada eu direi sem o teu nome.
Porque nada existe além da tua vida,
da tua pele macia, dos teus olhos magoados.

Assim quero cantar-te, meu amor,
para além da morte, para além de tudo.

Joaquim Pessoa, 
in 'Canções de Ex-Cravo e Malviver'

A Lua e os Amantes!!!


Kity Araújo





É madrugada e a lua convida...
Em um céu estrelado...Lindo
....Embriagando os amantes
Que parece atender ao chamado
Um perfume que exala no ar
Um desejo contido no corpo
Que já não sabe esperar
E responde sem palavras
A magia da lua toma posse
....Essa vontade de amar
Que já não cabe em mim
Você dorme!! Mais agora te quero
Minhas mãos desliza suave
Nessa tua pele macia
Meus lábios beija teu corpo
Enquanto literalmente enlouqueço
Com o sabor do teu cheiro
Paixão que só os amantes conhecem
Você finge dormir...Provoco
....Você sabe que adoro assim
Mordo suavemente o pescoço
Enlouqueço-te de prazer
Louco e cheio de tesão,
....Completamente tomado
Por essa paixão que alimenta o ser
Você mim faz mulher...Plena
E nos amamos até o amanhecer

(Kity Araújo)
Lei de Direito Autoral (nº 9610/98)

Que Farei no Outono quando Tudo Arde




Fernando Martinho





Que farei no outono quando ardem
as aves e as folhas e se chove
é sobre o corpo descoberto que arde
a água do outono

Que faremos do corpo e da vontade
de o submeter ao fogo do outono
quando o corpo se queima e quando o sono
sob o rumor da chuva se desfaz

Tudo desaparece sob o fogo
tudo se queima tudo prende a sua
secura ao fogo e cada corpo vai-se

prendendo ao fogo raso
pois só pode
arder imerso quando tudo arde

Gastão Cruz,
 in "As Aves"

Ah! Meu Amor



Kity Araújo




....Eu te amo tanto...
Está traduzido no olhar
Uma batida forte no peito
Essa vontade inconsequente
O coração da gente não mente
Meu corpo não disfarça...
Cada vez que sinto teu cheiro
E nossos desejos se entrelaçam
Porque não estás aqui agora!!
Não vê que preciso de ti?!
Desse teu beijo molhado
Dos teus desejos insanos
....Que me faz delirar
Quando arranca minhas roupas
E veste-me com tua pele quente
Dessa delícia de corpo suado
Que enlouqueçe o juízo da gente
Ah!! Meu amor...
O que sinto vai alem de mim
Essa paixão que parece loucura
O corpo padece...Entorpece o pensar
Eu te amo!! Já não posso negar
....Está traduzido na alma
Na transparência desse meu olhar
E esse meu corpo gritando
Que não para de perguntar...
Porque não estás aqui agora?!

(Kity Araújo)
Lei de Direito Autoral (nº 9610/98)

Verdes são os campos




Sandra Parizotto





Verdes são os campos,
De cor de limão:
Assim são os olhos
Do meu coração.

Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,
De ervas vos mantendes
Que traz o Verão,
E eu das lembranças
Do meu coração.

Gados que pasceis
Com contentamento,
Vosso mantimento
Não no entendereis;
Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração.

Luís de Camões

O Amor




Ana Abreu






O amor, quando se revela, 
Não se sabe revelar. 
Sabe bem olhar p'ra ela, 
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de *dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pr'a saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe 
O que não lhe ouso contar, 
Já não terei que falar-lhe 
Porque lhe estou a falar.

Fernando pessoa

Você faz parte daqui