PROSAS EM VERSOS

SER POETA, É SENTIR AFLORAR DA PELE SENSIBILIDADE, É OUVIR O GRITO DOS QUE NADA DISSERAM, É VER POR UMA GAMA DE CORES INVISÍVEIS À MACROSCÓPICA VISÃO DOS INSENSÍVEIS, É PENETRAR IMPIEDOSAMENTE À ALMA HUMANA.

domingo, 11 de março de 2012

LUCINHA - Prosas do Tema = Natureza




Lúcinha Santos
Natureza






A natureza nos dá tudo
que precisamos
e nós animas racionais
só a estragamos
Então a Natureza nos mostra
quem manda afinal
Tsunames, temporais
vendavais
A natureza pede socorro
E manda os sinais
Mas o homem que é burro
que só pensa nele próprio
que se julga inteligente, não
dá bola e ofende
a nossa mãe tão presente
E julga que vai ficar assim
fazendo oque bem entende
destruindo tudo que vê pela frente
Mas a natureza mostra a sua força
e destrói primeiro
quem nela avança
e a humanidade vai 
se perdendo e morrendo aos poucos
E eu vou torcendo sempre
Pra que acordem antes que seja tarde
Por que a natureza não perdoa
e eu quero mais que ela saia vencedora
...............Lú

FÁTIMA - Prosas do Tema = Natureza



Fátima Custódio
Vulcão



Lavas de fogo arrasaram a terra
Só resta cinza, carvão e pó;
Vejo a boca medonha duma cratera,
Olhando em redor, só sinto dó!
Na rua que foi minha vejo um precipício,
Na casa onde nasci vejo uma ruína,
Não cheiro a urze nem as estevas,
Vejo um vulcão no que foi uma colina.
As fontes estão secas, os pastos ressequidos,
Uma nuvem negra ainda paira no ar…
Já não há rosmaninho nem alecrim…
Estava acordada, mas pensava sonhar.
Até os insectos abandonaram esta terra!
Via uma criança, via papoilas…pensava…
Há muita água, mas só nos meus olhos,
Nem sequer restaram as flores que eu gostava!

Fátima Custódio

ANGELA - Prosas do Tema = Natureza



Angela Mendes
QUEM SOU...


Sou a terra que chora e soluça
pela devastação sofrida...
Sou a mata outrora verdejante
derrubada pela mão inclemente do homem...
Sou o pássaro errante, à procura de uma árvore
para fazer meu ninho...
Sou a água do rio, seco e poluído,
contorcendo-me entre as pedras do meu leito
caindo em mísero filete, onde havia uma 
pujante cachoeira.
Sou a terra seca, árida,
onde nada mais brota.
Sou o mar que quebra na areia da praia
ou nas rochas produzindo um triste lamento...
Sou a natureza agonizante...

E eu, sou o homem arrependido
pelas atrocidades que fiz sem pensar...
Mas não vejo mais esperança
dos meus erros reparar...
Por isso entre tanta desolação
Lanço meu grito de perdão!
Ângela Mendes

FÁTIMA - Prosas do Tema = Natureza


Fátima Custódio
Terra crua





A esta hora, quando todas as árvores dançam, 
Esguios bailados, em movimentos de inverno, 
Deixando cair todas as folhas que restam, 
Atiram para longe as sementes com coragem; 

A mão trémula do vento, faz desenhos sem pincel, 
Só pode ser castigo aquilo que não sei ver... 
Resmas de folhas soltas numeradas a rigor, 
Entre a terra e o que sou, há uma estátua caída; 

Este peso de papel, pesado nas minhas letras, 
Têm a força da terra, eloquência de lágrima, 
De cratera e de abismos, um coração em aterro, 
Profundo e desabitado, a terra pertence ao ar... 

Constroem-se os dias nas arestas esmagadas; 
Roubaste-me um sonho, talvez eu não o mereça! 
E as respostas aos caminhos que me mostras. 
Quando piso as folhas secas espalhadas no vazio? 

Na terra árdua de cobre, rolam as gotas caídas, 
Estradas sinuosas, riachos de água salgada; 
Terra dura, nua e crua, se não ouves o meu grito 
Salpicarei por aí, a tinta vermelha das veias.... 

Fátima Custódio

ANIBAL - Prosas do Tema = Natureza




Aníbal Bastos
NATUREZA





Mãe do saber e, mestra em perpetuar,
Dentro do teu reino, todo o ser!
A ninguém delegaste o teu poder!
És rainha, da Terra, do Céu e do Mar!

És tu quem faz a semente germinar,
Quer na terra, quer no ventre da mulher!
És da vida e o constante renascer
E o seu permanente continuar!

E apesar disso, és desprezada,
E continuamente, violada,
Dia após dia, ano após ano!

Quando em ti rebenta a tempestade,
Não existe o rancor nem a maldade,
Mas a mão, do chamado ser humano!

A. Bastos (Júnior)

CARMEM - Prosas do Tema = Natureza



Carmen Alice Ribeiro
NATUREZA MULHER




Renasço-me todas as manhãs
vestida de fresco
voo em arabesco
morder suculento de maçãs

Revivo-me em todos os teus dias
tecida de sedas
mapa de veredas
pão fresco que me dou em fatias

Perfumo-me em cada tua tarde
aroma de feno
sedução que aceno
flor de fogo que sem se ver arde 

Deito-me em amor todas as noites
contigo num sonho
mesa que me ponho
leito onde quero que tu me acoites

Sou flor de colher
Sou cor de mulher
Terra de semeio
Serra farto seio
Lar onde te quero
Dar o que eu gero...

Tudo que te peço...?
- O amor que mereço.
Teresa Teixeira

ERENI - Prosas do Tema = NAtureza


Ereni Wink
MULHER



Sou mulher ...não sou princesa
Sou pássaro 
Sou fera , sou pantera
Bicho solto na natureza.

Sou voraz...
Tenho anseios loucos
E são poucos ,os que eu posso controlar

Quando sonho...voo alto
Meu olhar é perspicaz
Minhas garras estão prontas
Busco alguém que possa me alimentar.

Já bem calma...saciada
Me deito em verdes prados
Tento harmonizar meus desejos
Tudo em vão...
Pois minha calma é um tufão.


Ereni Wink 11/03/2012


FÁTIMA - Prosas do Tema = Natureza



Fátima Custódio
Magia



As borboletas
Circundam
Os trevos,
E afago os cristais
Que deles escorrem.

Algo me invade:
É um raiar embalador
E choro poe ser feliz!

Chorem comigo,
Nuvens brancas, 
Chorem!

Não foram os teus lábios
Violinos
Nem sons 
Feitos sinfonia

Foi o sol que me chamou
Com as mãos cheias de amor
E de azul...
Resplendor feito magia
Feito cântico
Á beleza da poesia!

Fátima Custódio

Ofício





Basilina Divina Pereira






Acampar num sonho a distância
quebrar o vento com os dentes
ser vaga-lume entre as estrelas:
é tudo que pode um poeta,
além de não desistir do verso.
Jamais!

Basilina Pereira

ANGELA - Prosas do Tema = Natureza


Angela Mendes
Velha Natureza





Tudo que a velha Natureza gera
Vai sempre rumo do melhor futuro;
Ela fecunda com o ânimo seguro
De quem muito medita e delibera…

O seu gênio de artista mais se esmera
Na teoria sutil do claro-escuro,
Com que exalta a verdade mais austera,
Frisando em tudo o símbolo mais puro…

Só faz o Mau e o Hediondo para efeito
De projetar mais longe e sem nuance
A alma cheia de luz do que é perfeito,

Como cavou o Abismo nas entranhas,
Para dar mais relevo e mais alcance
À soberba estatura das montanhas…

Raul de Leoni

Não Fora o Mar!



Carmen Alice Ribeiro




Não fora o mar, 
e eu seria feliz na minha rua, 
neste primeiro andar da minha casa 
a ver, de dia, o sol, de noite a lua, 
calada, quieta, sem um golpe de asa. 

Não fora o mar, 
e seriam contados os meus passos, 
tantos para viver, para morrer, 
tantos os movimentos dos meus braços, 
pequena angústia, pequeno prazer. 

Não fora o mar, 
e os seus sonhos seriam sem violência 
como irisadas bolas de sabão, 
efémero cristal, branca aparência, 
e o resto — pingos de água em minha mão. 

Não fora o mar, 
e este cruel desejo de aventura 
seria vaga música ao sol pôr 
nem sequer brasa viva, queimadura, 
pouco mais que o perfume duma flor. 

Não fora o mar 
e o longo apelo, o canto da sereia, 
apenas ilusão, miragem, 
breve canção, passo breve na areia, 
desejo balbuciante de viagem. 

Não fora o mar 
e, resignada, em vez de olhar os astros 
tudo o que é alto, inacessível, fundo, 
cimos, castelos, torres, nuvens, mastros, 
iria de olhos baixos pelo mundo. 

Não fora o mar 
e o meu canto seria flor e mel, 
asa de borboleta, rouxinol, 
e não rude halali, garra cruel, 
Águia Real que desafia o sol. 

Não fora o mar 
e este potro selvagem, sem arção, 
crinas ao vento, com arreio, 
meu altivo, indomável coração, 

Não fora o mar 
e comeria à mão, 
não fora o mar 
e aceitaria o freio. 

Fernanda de Castro,
 in "Trinta e Nove Poemas"

Quanto a Natureza



Carmen Alice Ribeiro




Quanto a Natureza é bela e quanto o ar é ameno!
Senhor! Rendo graças e te admiro, de joelhos.
Possa o hino de alegria de meu reconhecimento
Subir, como o incenso, até a tua onipotência.

Assim, diante dos olhos de suas duas irmãs em luto,
Fizeste sair outrora Lázaro de seu sepulcro;
De Jairo desvairado, a filha bem-amada
Foi em seu leito de morte por tua voz reanimada.

Do mesmo modo, Deus poderoso! Me estendeste a mão;
Levanta-te! Tu me disseste: não o disseste em vão.
Por que não sou, ai, senão um vil montão de lama?
Gostaria de te louvar com a voz de um anjo;

Tua obra jamais me pareceu tão bela!
É àquele que sai da noite do túmulo
Que o dia parece puro, a luz brilhante,
O sol radioso e a vida embriagadora.

Então o ar é mais doce que o leite e o mel;
Cada som parece uma palavra nos concertos do céu.
A voz surda dos ventos exala uma harmonia
Que aumenta no vago e se torna infinita.

O que o Espírito concebe, o que fere os olhos,
É que se pode adivinhar no livro dos céus,
No espaço dos mares, sob as vagas profundas,
Em todos os oceanos, os abismos, os mundos,

Tudo se arredonda em esfera, e sente-se que no meio
Esses raios convergentes conduzem a Deus.
E tu, cujo olhar plana sobre as estrelas,
Que te ocultas no céu como um rei sob seus véus,

Qual é, pois, tua grandeza, se esse vasto universo
Não é senão um ponto aos seus olhos, e o espaço dos mares
Não é mesmo um espelho para teu esplendor imenso?
Qual é, pois, tua grandeza, qual é, pois, tua essência?

Que palácio tão vasto construíste, ó Rei!
Os astros não saberiam nos separar de ti.
O sol a teus pés, poder sem medida,
Parece o ônix que um príncipe amarra ao seu sapato.

O que admiro em ti, sobretudo, majestade!
É bem menos tua grandeza, que a imensa bondade
Que se revela em tudo, assim como a luz!

E de um ser impotente, atende a prece...
(Revista Espírita, dezembro de 1858)

FERNANDO - Prosas do Tema = Natureza




Fernando Martinho
A Neve





A NEVE PÔS uma toalha calada sobre tudo.
Não se sente senão o que se passa dentro de casa.
Embrulho-me num cobertor e não penso sequer em pensar.
Sinto um gozo de animal e vagamente penso,
E adormeço sem menos utilidade que todas as ações do mundo.

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando Pessoa

BASILINA - Prosas do Tema - Natureza




Basilina Divina Pereira
MEU QUINTAL





Nasci chão

e a terra me encanta.
Quisera ter virado pássaro 
para cantar no galho
que balança meus sonhos,
mas continuo presa a este tempo
que altera as cores do céu
e decepa o verde das matas
e polui o passeio das águas
e nos faz (a cada dia)
menos certos do amanhã.
Sigo querendo 
que o mundo caiba no meu quintal
onde há formigas para todos os bicos
e alegria entre a relva dos canteiros.


Basilina Pereira

BASILINA - Prosas do Tema - Natureza




Basilina Divina Pereira
A MORTE DA BALEIA





Não merecias a morte.
Tão bela, tão grande e dócil...
Não essa morte esculpida por mãos humanas,
por essa maldade incrustada em séculos de memória,
essa indiferença estranha e pegajosa
que o homem carrega em seus olhos.
Dominamos a terra, o ar e o mar,
mas nos esquecemos dos limites.
Se nos lembrássemos de que a vida
é um frágil espelho de cristal,
seu canto continuaria a ecoar pelos mares
repetindo aquela mesma sequência
tantas vezes ouvida e sempre encantada.
Enquanto elas entoam suas canções entre as conchas,
velhos arpões ainda executam o nefasto ritual
de tingir a imensidão azul.
Como explicar, como entender?
Não sei dizer.
Só sei que o homem ainda é um pequeno rascunho
e, em tudo, menor que as baleias. 

Basilina Pereira

Ahhhhhhhhhhh o amor




Lúcinha Santos







ele vem........ele vai
ele vai............. ele vem
Nos deixa eufóricos
as vezes machucados
Mas não conseguimos viver sem ele
E pra curar uma dor de amor
nada melhor que uma dose de amor mais forte
arrebatadora
aquela que chega de repente
e quando menos se espera
nos dominou completamente
..............Lú.

Deixa


Angela Mendes





Deixa que meu olhar te persiga...
Deixa que minha alma te encontre...
Voa ...
Voa bem alto...
Voa até onde só tu sabes...
Voa...
Voa bem alto...
Voa...
E é nesse teu voar que me inspiro...
Nessas asas que me solto...
Nessa força que me prendo...
Nessa ousadia que me rendo...
Voa...
Voa bem alto...
Voa...
e me leva com você.
Gosto desse
Carinho solto
De um coração sereno...
Gosto das pessoas que
Vestem a
Simplicidade
Na alma...
Gosto de tocar,
abraçar
E dizer o quanto gosto...
Gosto de sentir a essência
Do amor e vivê-lo
Em toda sua plenitude!...

(© Cida Luz)

Renúncia



Maria Salete Ariozi



Chora de manso e no íntimo... procura
Tentar curtir sem queixa o mal que te crucia:
O mundo é sem piedade e até riria
Da tua inconsolável amargura.

Só a dor enobrece e é grande e é pura.
Aprende a amá-la que a amarás um dia.
Então ela será tua alegria,
E será ela só tua ventura...

A vida é vã como a sombra que passa
Sofre sereno e de alma sombranceira
Sem um grito sequer tua desgraça.

Encerra em ti tua tristeza inteira
E pede humildemente a Deus que a faça
Tua doce e constante companheira...

Manuel Bandeira

Desejo


Ereni Wink




O meu desejo
Tem unhas compridas
Pelo teu corpo
Fica a te tentar...
Tantas carícias
Te são prometidas 
Que o teu desejo 
Começa a aflorar...

São tantos beijos
Já perdi a conta !
Pernas e braços
Ficam a se trançar...
A pele brilha
O amor me encanta !...
Como é gostoso 
A gente se gostar ...

O teu ciúme
Vem me perseguir
Nem mesmo posso
Ver um grande amigo!
Não faz assim...
Isso me faz fugir
Quando eu queria 
Era estar contigo ...

Arrumo a mala
Saio bem cedinho
Vou para longe
Vem brisa do mar...
Se quer brigar
Então brigue sozinho!
Não é desse jeito
Que eu sei amar !

Para minha tristeza
Teu corpo me chama
E como um imã 
Fica a me puxar!...
Só uma palavra
Se diz que me ama...
É o bastante
E me faz voltar.
Me arrumo bem 
Sei que estou cheirosa!
Já nos teus braços
Me sinto morrer ...
Arranco a roupa 
Sou indecorosa !...
Se no teu corpo 
Quero é me perder...

Cheiro de amor
E suor na boca...
Quatro paredes
E tantas loucuras !...
Quem somos nós ?
Isso é coisa pouca
Dois no planeta
Mente nas alturas... 

Angélica Masy, 
São Paulo, Brasil

Porta dos Sonhos



Angela Mendes




Fiz uma porta de sonhos
com duas partes viradas
para as portas do jardim
os dias foram tamanhos
e de todos fiz os sonhos
que vivi dentro de mim...

Naquelas partes viradas
para as rosas do jardim
inventei uma esperança
de viver de quase nada
e minha vida inventada
do nada restou assim...

A alma nua e penitente
com a calma da manhã
e a memória do jardim
no sonho da primavera
convivendo de quimera
nas duas partes de mim...

(Afonso Estebanez)

Alimente



Angela Mendes




‎"Alimente a sua alma com amor, 
cure as suas feridas com carinho. 
Descubra-se todos os dias deixe-se levar 
pelas vontades mas não enlouqueça por elas 
Abasteça seu coração de fé não a perca nunca. 
Alargue seu coração de esperanças, 
mas não deixe que ele se afogue nelas. 
Se achar que precisa voltar,volte! 
Se perceber que precisa seguir,siga! 
Se estiver tudo errado,comece novamente. 
Se estiver tudo certo,continue. 
Se perder um amor não se perca! 
Se o achar segure-o! 
Circunda-se de rosas ama bebe e cala 
O mais é nada" 

Fernando Pessoa

Meu sentir...



Maria Salete Ariozi



Minha pele queima com teu toque,
e com teu roçar caliente,
teu respirar...
Minha boca seca,
pela falta dos teus lábios,
tua língua na minha,
teu suspirar em meu ouvir.
Meu pensar pousa em teu colo,
busca tua seiva cristalina,
que acaricia meu sentir…
E tu,
debruando o lençol,
escorregadia e rebelde,
me foges do abraço prisioneiro...
Tal luxúria que se esvai,
e de meu "trono" se escapa,
o alimento que sacia,
tua sede de prazer.
Carrega agora a maldade,
que semeaste quando fugiste,
e me deixaste penado,
de tormentos que vivo.
Eu sou este,
que de longe te apanha,
e no "só" de meu leito,
se distende,
de saciado se encontra,
depois de arregaçado,
e de esticado,
para mais te poder dar...

Meu "sentir" é hoje e sempre...

Afonso Rocha

Sonho semi-sonhado



Angela Mendes




Sou um sonho semi-sonhado, 
um poema inacabado, 
um amor que quase vingou, 
um presente ausente, 
filho que não se gerou, 
meio humano semi-gente, 
fração de um inteiro, 
lua de uma só fase, 
por pouco o primeiro 
perfeito entrelace, 
da teia que se consumiu; 
mar de um só braço, 
amar aos pedaços, 
castelo que sumiu, 
sonho a se consumir, 
versos não concretizados, 
amor sem interagir 
futuro no passado. 

[gustavo drummond]

Cola-Tudo



Angela Mendes




Encontrei um verso fraturado 
Caído na esquina da rua do lado. 
Tinha se perdido de um coração saudoso 
Que passava por ali, desiludido. 

Coloquei-o de pé 
Emendei seus pedaços, 
Refiz suas linhas, 
Retoquei seus traços. 
Afaguei suas dores como se fossem minhas. 

Agora, novamente estruturado, 
Espero que ele não olhe para trás 
E não misture sonhos 
Com amargas falências do passado; 

Que saiba enfeitar a estrela lá na frente 
Com fartos laços de rima colorida 
...Pois é para o futuro que caminham 
Todos os passos apressados desta vida. 
(Flora Figueiredo)

Você faz parte daqui