PROSAS EM VERSOS

SER POETA, É SENTIR AFLORAR DA PELE SENSIBILIDADE, É OUVIR O GRITO DOS QUE NADA DISSERAM, É VER POR UMA GAMA DE CORES INVISÍVEIS À MACROSCÓPICA VISÃO DOS INSENSÍVEIS, É PENETRAR IMPIEDOSAMENTE À ALMA HUMANA.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Quando Chove!


Claudio Caldas Faria





Toda vez que chove lembro de você
Basta uma chuvinha, não precisa ser temporal
E acho que sei o porque
Que quando chove, me sinto tão mal
Não é pelas lágrimas que ainda são derramadas
Ou pelos soluço do meu choro inteiro
Nem mesmo por você não representar mais nada
Ou mesmo por não ter sido o primeiro
Existiu médico, advogado, 
Arquiteto, policial e até engenheiro
E a minha vida era só alegria
Se chove eu apenas me recordo
De quando olhava pra cima e sorria
Assim, sem o menos, sem o mais
Apenas sorria e meu peito
Era um sonhos não queria acordar jamais
Me sentia em segurança
Sobre um teto e nada mais
E hoje quando cai a chuva
Pronto, leva também a minha paz
Por isso caio em prantos
E vou espalhando por todos os cantos
Recipientes, panelas e coisas sem fim
Como me lembro de você quando chove
Enquanto goteiras pingam em mim
Desgraçado, pedreiro chinfrim

Claudio Caldas Faria
Lei de Direito Autoral (nº 9610/98)

Fiz este quando uma grande amiga (Ana L. Jorge) travava uma luta ferrenha com pedreiros que faziam uma obra um andar acima. 

Aonde?



Ereni Wink


Ando a chamar por ti, demente, alucinada,
Aonde estás, amor? Aonde...aonde...aonde?...
O eco ao pé de mim segreda...desgraçada...
E só a voz do eco, irônica, responde!

Estendo os braços meus! Chamo por ti ainda!
O vento, aos meus ouvidos, soluça a murmurar;
Parece a tua voz, a tua voz tão linda
Cantando como um rio banhado de luar!

Eu grito a minha dor, a minha dor intensa!
Esta saudade enorme, esta saudade imensa!
E só a voz do eco à minha voz responde...

Em gritos a chorar, soluço o nome teu
E grito ao mar, à terra, ao puro azul do céu:
Aonde estás amor? Aonde...aonde...aonde?... 

Autor: Florbela

Te Quero


Ereni Wink



Não te quero senão porque te quero
E de querer-te a não querer-te chego
E de esperar-te quando não te espero
Passa meu coração do frio ao fogo. 

Te quero só porque a ti te quero,
Te odeio sem fim, e odiando-te rogo,
E a medida de meu amor viageiro
É não ver-te e amar-te como um cego. 

Talvez consumirá a luz de janeiro
Seu raio cruel, meu coração inteiro,
Roubando-me a chave do sossego. 

Nesta história só eu morro
E morrerei de amor porque te quero,
Porque te quero, amor,
a sangue e a fogo. 
(Pablo Neruda)

Viver Não Dói



Ereni Wink


Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas
e não se cumpriram.
Por que sofremos tanto por amor?

O certo seria a gente não sofrer,
apenas agradecer por termos conhecido
uma pessoa tão bacana,
que gerou em nós um sentimento intenso
e que nos fez companhia por um tempo razoável,
um tempo feliz.
Sofremos por quê?

Porque automaticamente esquecemos
o que foi desfrutado e passamos a sofrer
pelas nossas projeções irrealizadas,
por todas as cidades que gostaríamos
de ter conhecido ao lado do nosso amor
e não conhecemos,
por todos os filhos que
gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,
por todos os shows e livros e silêncios
que gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados,
pela eternidade.

Sofremos não porque
nosso trabalho é desgastante e paga pouco,
mas por todas as horas livres
que deixamos de ter para ir ao cinema,
para conversar com um amigo,
para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe
é impaciente conosco,
mas por todos os momentos em que
poderíamos estar confidenciando a ela
nossas mais profundas angústias
se ela estivesse interessada
em nos compreender.
Sofremos não porque nosso time perdeu,
mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos,
mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós,
impedindo assim que mil aventuras
nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e
nunca chegamos a experimentar.
Como aliviar a dor do que não foi vivido?
A resposta é simples como um verso:
Se iludindo menos e vivendo mais!!

A cada dia que vivo,
mais me convenço de que o
desperdício da vida
está no amor que não damos,
nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca,
e que, esquivando-se do sofrimento,
perdemos também a felicidade..

A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional.

(Carlos Drummond de Andrade)

Lágrimas Ocultas


Ereni Wink



Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi outras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...

E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

(Florbela Espanca)

A História de Uma Rosa



Angela Mendes




Minha vida é uma rosa.
De muito cedo reconheci
os espinhos.
Que alguém os aparava
para não me ferir.
Um botão quase perfeito
tornei-me um dia
alguém tentou arrancar
sem tato e sem alegria.
Nem todos sabem
ver a beleza da flor
sem desejar apagar
destruir e pisotear.
Sobrevivi, porém fora do jardim
alcei pelos penhascos da vida.
Sem casuísmo
vivi ao lado da Rainha do Abismo
a flor que amei e respeitei
mesmo sem cor ou perfume
ela me indicou o caminho
e eu o segui sozinha.
A bela rosa se abriu um dia
em pétalas de tenacidade
buscou e encontrou, a felicidade.
Não me disseram, porém
que a vida vale um vintém
se o risco for muito grande.
E eu arrisquei
muito mais do que devia
na busca irrefreada
do amor
que finalmente encontrei.
As pétalas vermelhas
da minha vida
foram queimando lentamente
pelo sol do meio-dia
sempre escaldante.
Não me furtei ao brilho do sol
tampouco ao sereno da noite
por mais que fosse um açoite
na minha cor.
Acabei assim, sem a minha cor carmim
guardada como elegia
num livro de poesia...

Tere Penhabe

De Um Lado Cantava o Sol


Ereni Wink



De um lado cantava o sol,
do outro, suspirava a lua.
No meio, brilhava a tua
face de ouro, girassol!

Ó montanha da saudade
a que por acaso vim:
outrora, foste um jardim,
e és, agora, eternidade!
De longe, recordo a cor
da grande manhã perdida.
Morrem nos mares da vida
todos os rios do amor?

Ai! celebro-te em meu peito,
em meu coração de sal,
Ó flor sobrenatural,
grande girassol perfeito!

Acabou-se-me o jardim!
Só me resta, do passado,
este relógio dourado
que ainda esperava por mim

(Cecília Meireles)

À Estrelas


Ereni Wink




Foram-se abrindo aos poucos as estrelas...
De margaridas lindo campo em flor!
Tão alto o Céu!... Pudesse eu ir colhê-las...
Diria alguma se me tens amor.

Estrelas altas! Que se importam elas?
Tão longe estão... Tão longe deste mundo...
Trêmulo bando de distantes velas
Ancoradas no azul do céu profundo...

Porém meu coração quase parava,
Lá foram voando as esperanças minhas
Quando uma, dentre aquelas estrelinhas,

Deus a guie! do céu se despencou...
Com certeza era o amor que tu me tinhas
Que repentinamente se acabou!

(Mário Quintana)

Lembranças



Angela Mendes



Lembre-se de mim com doçura,
pegue-me no colo e me dê abrigo
sou pequena flor amassada...
pelo caminho em que fui jogada no lixo.

Tenho ainda meu perfume discreto,
perdi a umidade das manhãs,
se me deres aconchego e me regares,
florescerei viva e linda nas tua mãos.

É preciso alegria e cuidado,
para que se possa florescer,
muito amor e o frescor do tempo;
para o beija-flor de repente aparecer.

Deita-me na tua sombra...
abra teus braços para mim,
descanso é o que peciso e quero
para que me fortaleça em ti.

Assim, despida e tua...
terei beleza outra vez...
e banhada pela claridade da lua
me entregarei a ti, linda e nua.

MÁRCIA ROCHA

Ele



Angela Mendes



Ele que me apareceu de repente,
que nunca sei o que sente
que fez brilhar os meus dias
ele que se tornou a minha poesia.

Ele que tem o silêncio da madrugada,
que aquece como o verão a minha estrada
que me deixa sempre apaixonada
que me ama em noite enluarada.

Ele pode ser o rosto que nunca vou esquecer,
pode ser o amor que se deixou perder
o sol com sua beleza a nos aquecer
o outono que perde as flores no entardecer.

Ele será minha lembrança eterna,
a primavera por ser tão bela!
ele que se perdeu do meu norte,
ele que vou me lembrar na vida até a morte.

MÁRCIA ROCHA

Temores




Lúcinha Santos






Na escuridão me arrasto
a espreita de uma sombra
que passe sem esperança, que não tenha alma,
que venha sem destino,
sem rumo e sem chão
Para que eu possa ter seu corpo
sua mente e coração
Procuro pessoas assim , sem luz, sem ação
e reação
Para semear a discórdia entre todos
que ali estão
Não descobriram ainda quem sou ?
Sou o pior dos sentimentos que a humanidade
promoveu
Sou a vingança misturada com a inveja,
sou aquilo que todos tem de pior dentro de si
sou o ódio e sou aquele que não acredita em Deus
Sou todos os pecados escondidos
dentro de cada um
Que floresce somente naqueles fracos e pobres de espirito
que não tem bondade no coração
Fique longe do escuro
e procure sempre a luz
Estenda a mão para seus irmãos
e tenha muita fé dentro do coração
Não deixe a escuridão tomar conta de teus dias
e te levar para um buraco sem fim
Seja forte, seja puro que tudo sempre
tem um final feliz.


Caminhos




Basilina Divina Pereira




Atrás das palavras muitas janelas
e sons que rastejam nas entelinhas
para capturar o que o que desprende de alguma fenda.
Se o vento regurgita lembranças,
elas recolhem o que um dia foi palpável
e arquivam em algum compartimento da alma.
Eu coleciono palavras:
elas me salvam dos pensamentos daninhos
e, por vezes, me mostram saídas submersas,
aonde eu não conseguiria chegar elas.

Basilina Pereira

Prefiro Assim




Angela Mendes



EU NÃO QUERO UM “CANTINHO” SÓ NOSSO
OU DO PASSADO AS LEMBRANÇAS;
SÓ QUERO ENTERRAR OS OSSOS
QUE SOBRARAM DAS ESPERANÇAS.

MÚSICAS QUE ME LEMBREM DE ALGO?
NÃO ME RECORDO NEM DA PRIMEIRA!
PREFIRO SER MAIS PÓ QUE O TALCO
QUE DEIXA BRANCA ALGUMA SUJEIRA.

TRATOS, PACTOS, PROMESSAS
OU JURAS DE AMOR INFINITAS?
NADA MAIS DISSO ME INTERESSA
FORAM COISAS INDEFINIDAS.

DIAS, FATOS OU DATAS IMPORTANTES,
QUE LEMBRARÃO O SEU MUNDO?
PREFIRO FICAR BEM DISTANTE
QUE LHE ACOMPANHAR ATÉ O FUNDO
.
Claudio Caldas Faria, do livro Ecos e Reflexos

Essa Noite Não




Paula Teixeira




A cidade enlouquece sonhos tortos
Na verdade nada é o que parece ser
As pessoas enlouquecem calmamente
Viciosamente, sem prazer

A maior expressão da angústia
Pode ser a depressão
Algo que você pressente
Indefinível
Mas não tente se matar
Pelo menos essa noite não

As cortinas transparentes não revelam
O que é solitude, o que é solidão
Um desejo violento bate sem querer
Pânico, vertigem, obsessão

Lobão

Ausência


Ereni Wink



Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

por: Carlos Drummond de Andrade

Cansaço




Aníbal Bastos





                           Por estar cansado demais desta vida, vou
Para longe, onde ninguém me reconheça,
Aonde o meu passado se esqueça,
Mas não esqueça o que fui, nem o que sou.

Do lamento que não lamentei, só me ficou
A mágoa, e por mais estranha que pareça,
Não deixa que de mim se compadeça,
O padecer que de ti me separou!

Pela larga estrada da vida segui,
Sem saber qual destino, ou qual razão,
E sem razão de viver, só existi.

Amor! Amor, sonho triste que sonhei
Acordando nos braços da desilusão
Razão, por que razão, fui e não voltei!

Canto das Águas


Ereni Wink



Não sei onde nasce ...
Mas a vejo cristalina...
Desce as encostas borbulhando..

Seu som...
Ao lapidar as pedras 
Encontradas pelos caminhos
Se transforma em Linda sinfonia

Ao pé da montanha ...
Decifro tua musica e te admiro
Tua beleza é impar
Cachoeira transparente.

Não sei onde nasce
Mas sei que tua trajetória é longa
E segues mundo afora
Muito mais além...o mar te engole.

Agora....
Es uma gota na imensidão do mar.


Florianópolis 15/05/2012 Ereni Wink

A Louca




Claudio Caldas Faria





Quando ela passa: - a veste desgrenhada,
O cabelo revolto em desalinho,
No seu olhar feroz eu adivinho
O mistério da dor que a traz penada.

Moça, tão moça e já desventurada;
Da desdita ferida pelo espinho,
Vai morta em vida assim pelo caminho,
No sudário da mágoa sepultada.

Eu sei a sua história. - Em seu passado 
Houve um drama d'amor misterioso
- O segredo d'um peito torturado -

E hoje, para guardar a mágoa oculta, 
Canta, soluça - o coração saudoso, 
Chora, gargalha, a desgraçada estulta.

Augusto dos Anjos

Cada um que passa



Ligia Shlochmann





Cada um que passa em nossa vida passa sozinho, porque cada pessoa é única para nós e nenhuma substitui a outra.
Cada um que passa em nossa vida passa sozinho, mas não vai sozinho, nem nos deixa só.
Leva um pouco de nós mesmos e nos deixa um pouco de si mesmos.
Há os que levam muito, mas não há os que não levam nada.
Há os que deixam muito, mas não há os que não deixam nada.
Esta é a mais bela realidade da vida, a prova tremenda de que cada um é importante e que ninguém se aproxima do outro por acaso.”

Saint-Exupéry

Ecos D'Alma




Claudio Caldas Faria





Oh! madrugada de ilusões, santíssima,
Sombra perdida lá do meu Passado,
Vinde entornar a clâmide puríssima
Da luz que fulge no ideal sagrado!

Longe das tristes noutes tumulares
Quem me dera viver entre quimeras,
Por entre o resplandor das Primaveras
Oh! madrugada azul dos meus sonhares.

Mas quando vibrar a última balada
Da tarde e se calar a passarada
Na bruma sepulcral que o céu embaça

Quem me dera morrer então risonho
Fitando a nebulosa do meu sonho
E a Via-Látea da Ilusão que passa!

Augusto do Anjos

A Dança da Psique




Claudio Caldas Faria





A dança dos encéfalos acesos
Começa. A carne é fogo. A alma arde. A espaços
As cabeças, as mãos, os pés e os braços
Tombam, cedendo à ação de ignotos pesos!

E então que a vaga dos instintos presos
- Mãe de esterilidades e cansaços -
Atira os pensamentos mais devassos
Contra os ossos cranianos indefesos

Subitamente a cerebral coréia
Pára. O cosmos sintético da Idéia
Surge. Emoções extraordinárias sinto

Arranco do meu crânio as nebulosas
E acho um feixe de forças prodigiosas
Sustentando dois monstros: a alma e o instinto!

Augusto dos Anjos

Flor do Asfalto




Ligia Shlochmann




Flor do asfalto, encantada flor de seda,
sugestão de um crepúsculo de outono,
de uma folha que cai, tonta de sono,
riscando a solidão de uma alameda...

Trazes nos olhos a melancolia
das longas perspectivas paralelas,
das avenidas outonais, daquelas
ruas cheias de folhas amarelas
sob um silêncio de tapeçaria...

Em tua voz nervosa tumultua
essa voz de folhagens desbotadas,
quando choram ao longo das calçadas,
simétricas, iguais e abandonadas,
as árvores tristíssimas da rua!

Flor da cidade, em teu perfume existe
Qualquer coisa que lembra folhas mortas,
sombras de pôr de sol, árvores tortas,
pela rua calada em que recortas
tua silhueta extravagante e triste...

Flor de volúpia, flor de mocidade,
teu vulto, penetrante como um gume,
passa e, passando, como que resume
no olhar, na voz, no gesto e no perfume,
a vida singular desta cidade!

GUILHERME DE ALMEIDA

Alma



Maria Salete Ariozi



A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como 
uma manhã brilhante e 
fresca,inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

(Rubem Alves)

O Universo e o Verso



Maria Salete Ariozi



O mar azul me faz sempre pensar
E o pensamento faz-me mais discreto.
O mar é nada, mas é sempre mar,
Se comparado ao universo reto.

Meu pensamento vai bem mais distante
Que a distância do cosmos conhecida.
E sempre foi assim, desde eu infante,
Como será assim por toda a vida.

A diferença está pelos bilhões
Dos anos que o universo durará.
Meus pensamentos corre aos borbotões
Mais logo pelo tempo morrerá.

Quanta ironia existe no Universo
Que é maior e menor de que meu verso.

Ives Gandra Martin

Alguma Coisa



Maria Salete Ariozi




Alguma coisa fica
do caminhar contínuo
e deste sono.
Alguma folha fica
da primavera
no outono.
Algum fruto, algum gesto, alguma voz.
Alguma coisa frutifica.
E fica em nós.

Renata Pallottini

Esquecimento



Maria Salete Ariozi




Tentei me lembrar
dos momentos importantes,
felizes, mesmo distantes.
Tentei,
vasculhei a memória,
perscrutei,
numa desgastante
teimosia.
Nada. Estava vazia.
Onde está a alegria que vivi ?
Sou tão esquecida,
esqueci...

Wadad Naief Kattar Camargo

Você faz parte daqui