PROSAS EM VERSOS

SER POETA, É SENTIR AFLORAR DA PELE SENSIBILIDADE, É OUVIR O GRITO DOS QUE NADA DISSERAM, É VER POR UMA GAMA DE CORES INVISÍVEIS À MACROSCÓPICA VISÃO DOS INSENSÍVEIS, É PENETRAR IMPIEDOSAMENTE À ALMA HUMANA.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Melancolia


Ligia Shlochmann
melancolia (an excerpt)







DOCE MELANCOLIA...ONDE BATE O VENTO DO MAR
ACARICIA O SOL DO MEIO-DIA..A SERRA
DA JUREIA.....ONDE AS MORADAS DO CÉU
ESBARRA NAS MONTANHAS....DA MINHAS
ALEGRIAS NESSA ETERNA MELANCOLIA.

outono/junho/2012.

DAISI - PROSAS DA FOTO = NEM AS BRUMAS DO CÉU


Daisi Oliveira de Souza
Nem nas brumas do céu




Pensaste mesmo um dia
Que eu desistiria da vida
Sem a tua companhia?
Não sabes quem sou.
Praguejou minha sorte
E todos os meus amores
Atormentado com os temores
Criados em teus pensamentos.
Mal perdedor!
Pois saibas que aqui estou,
Firme e forte,
Com toda a sorte,
E vivendo um grande amor.
E tu? Ah!! Nem nas brumas 
Do céu quero te encontrar.

Daisi Oliveira de Souza

FÁTIMA - Prosas do Tema = MELANCOLIA


Fatima Pessoa





Momentos de ilusão
Me trazem melancolia
Me sinto intransponível
Envolta em um mistério
Místico
Profundo
E mesmo que as estrelas brilhem
Me sinto só
Sem saber para onde ir
Absorta em meus pensamentos
Alheia, olhar impenetrável
Fixo não sei onde
Talvez na solidão
Quero mudar
Quero novamente sorrir 
Quero sentir
Um novo dia chegar
Para que eu possa recomeçar
Desta vez
Com alegria! 
Sem melancolia!
(FaPe)

FÁTIMA PESSOA - PROSAS DA FOTO



Fatima Pessoa




Me assusta
Subir os degraus do infinito
Sem saber para onde olhar
Sem saber para onde ir
Mas subo
Olho o céu
E vejo um clarão
Ardente
Brilhante
Como se alguém me chamasse
E sem medo
Vou
Procuro
E encontro
Não o fim
Mas o começo
A paz!
A vida!
(FaPe)

PATRICIA - Prosas do Tema - MELANCOLIA



Patricia Neme




Não, eu não quero melão-com-lia.
Prefiro uma taça de Armand de Brignac, 
servida pelas maduras mãos
de quem tem cabelos
onde o tempo deixou sua história.
No entrecruzar das taças,
nos tornaremos unos,
apenas, Maria e João.
E tudo o mais será vão.
Em sendo assim...
Pra que hei de querer um melão?

- PAT -

LUCINHA - Prosas to Tema = MELANCOLIA


Lúcinha Santos
Melancolia




E vou seguindo... ao infinito
passos lentos
sem pressa
Tudo ao meu redor não existe mais
......esqueça
E como se fosse um quadro de paisagens
de pessoas, de fatos e imagens
Passo inerte a tudo
Por que já não me interessa nada
nenhuma conversa..
Não há tratamento eficaz
para a alma.
não sinto e nada me acalma
A melancolia se abateu sobre mim
e meus dias são contados assim
passos lentos
sem pressa
Não há buscas de nada
não á destino nessa estrada
Alma vazia
coração de pedra
razão sem rumo
espirito desnudo de qualquer luz do mundo
E vou assim
a passos lentos
sem pressa
.........morrendo...............

..............................Lú.

BASILINA - Prosas do Tema = BASILINA




Basilina Divina Pereira
MERGULHO




...e o poema acorda 
na tarde morna
engolfado por uma cacofonia de emoções.
Desfaz-se do borrão que o limita
e, imbuído de uma fé estóica,
afasta a melancolia
que ousa sugar a cor dos versos.
Liberto, dissolve os elos
pra mudar a melodia.
Um poema que se preza 
tem que mergulhar na poesia.

Basilina Pereira

BASILINA - Prosas do Tema = MELANCOLIA




Basilina Divina Pereira
TODO DIA



Hoje é dia da poesia?
A poesia... É... todo dia.
Pra mim ela reverbera
da alvorada à ave-maria,

segue pela noite adentro
entoando melodias.
Para apreendê-la, na certa,
tem de haver diplomacia:

estar atento aos acordes
que emanam da sintonia
entre o poeta e o seu verso
ao rimar arte e alegria,

no momento em que a saudade
passa a ser melancolia
e as lembranças encapadas
desnudam-se à luz do dia.

Para se fazer poesia,
só um ser iluminado,
que consiga ver magia 
mesmo num vaso quebrado.

Basilina Pereira

BASILINA - Prosas do Tema = MELANCOLIA


Basilina Divina Pereira
BALADA





Acordei pensando em ti.
Talvez pelo sonho da noite
ou pela brisa suave que senti.

Teu rosto me olhava sorridente
e os olhos, feitos de nesgas do passado,
mergulharam na neblina do presente

que cobre a paisagem e o pensamento.
Só a fantasia resiste, como o pêndulo e a hora,
ilusão que vem em forma de alento.

É o que restou daquela madrugada,
do silêncio mergulhado na canção
e da lembrança de uma noite enluarada.

Mas o instante me recorda, meio triste,
que há o tempo de chegar e de partir
e assim como vieste, seguiste,

deixando no cântaro uma saudade ardida,
misto de dor e alegria, talvez melancolia,
como o porto depois da partida.

Mesmo sabendo que a canção é finda,
fica no rastro do sonho rasgado
o vestígio de uma balada linda.

Basilina Pereira

MÔ - Prosas do Tema - MELANCOLIA



Mô Schnepfleitner
Haikai melancólico



Sopra a brisa
e sussurra no meu ouvido -
Melancolia...

Mô Schnepfleitner

CLAUDIO - Prosas do Tema = MELANCOLIA




Claudio Caldas Faria
- Depressão II -





Energia pura em todo o corpo 

Deixava a alma em todo o porto

Tudo mais que delineado,

Nada torto
Arrepio na pele de amores
Explosões de sons e cores
Uma força maior, (incontestável).
Levando-o a um mundo improvável
De conter alguma realidade
Mas o tempo e a fatalidade
Não deixariam o bem-estar se prolongar



Por que assim não pode ser?

Era a simples vontade de viver

Que impulsionava todo o seu ser.
Porque não pode ser assim
Deixaram a vida chegar até a mim
Para em um só segundo
Me apontarem o fim.



Queda vertiginosa

Cheia de curvas e espinhosa

Que as dores do corpo chegam a gritar.
A escuridão só aumentando
A Alma plenamente em pranto
Calava a voz, o peito e o pensar



Ouvia alguém que perguntava:

- Ele está morto?

Outra voz ao longe retrucava:
- Não, mas está lá, todo torto,
Parece que num distante porto,
Seu corpo vai enfim descansar.



Os sons, todos eles,

Antes deslumbrantes

Agora, eles todos
Com notas horripilantes



Cores?

O olho nenhuma conseguia ver

Nem o preto, ou o branco, apenas o cinza
Dizem ser esta a cor da morte!
Mas o que se há de fazer?




- E o que ele costuma dizer? 

- Que a melhor coisa da vida é morrer!.



O pior é ter que ver o tormento

Engolir o que não se quer - medicamento -

Abdicar de tudo que lhe é importante
Não há vontades, amor ou um só instante,
Que se possa afirmar: ESTOU VIVO !!



São vômitos, suores gelados e dores,

Arrepios, medos e os maiores tremores

Que morrer é a única saída.
O interior se abre em feridas
Para as quais remédios não há.



Não existe o apego a mais nada

Para ser exato é apenas isso: O NADA;

Nada mais importa, nada mais interessa
Existe apenas uma pressa
De sentir a morte chegar
Mas ela nunca se aproxima o necessário
Só lhe sopra na nuca o falso presságio
Que pouco falta para finalizar
E tudo vai cada vez mais perdurando
No poço profundo tu vais despencando
Sem um fim, sem um nunca terminar...

Claudio Caldas Faria
in. "ECOS & REFLEXOS"

ERENI - Prosas do Tema = MELANCOLIA




Ereni Wink
EU 




Caminhava lentamente...
Na areia macia da (praia dos Açores)
Enquanto o sol
Se escondia no horizonte 
Refletindo sobre as águas
Tons amarelo dourado
Brisa suave...
E eu a caminhar.... Lentamente
Perdida em lembranças... Pensamentos
Procurando um vestígio...
De algum sentimento...
Que ficou perdido no tempo
A brisa...
Acariciando meu corpo
Enquanto a bela gaivota...
Seu canto quase um lamento
Abre suas asas contra o vento
Cortando o céu em altivo voo
Por fim... Chego ao meu destino
Um barco abandonado...
Que foi encontrada a deriva (no mar)
Sentada na proa...
Ainda sinto no ar...
O cheiro do reencontro... Que jamais virá.


Florianópolis 01/06/2012 ERENI WINK

LUCINHA - PROSAS DA FOTO - DEGRAUS



Lúcinha Santos
Degraus



É a vida...
Sentida
Vivida, 
Aplaudida
Degrau por degrau
dia após dia
sofrida........
Temida..
remoída
Degrau por degrau
Um dia bom, outro ruim
E a vida vai me levando assim
construindo aos poucos
oque me leva pra cima, além
esperança que não cansa
felicidade que insisto,
num caminho que resisto
Degrau por degrau
Vou idealizando
a vida que por mais que me diga chore
eu subo mais um pouco
e digo: - implore meu choro !!!!
por que eu o deixo no degrau de baixo
tristeza, frieza, incertezas
e pra cima
degrau por degrau
Felicidade total
..........................Lú.

MÔ - Prosas do Tema - MELANCOLIA


Mô Schnepfleitner




Melancolia,
quem é você?
Te vejo chegando,
mansamente...num final de tarde
e invadindo
cada cantinho de minha alma..

Quando você chega
intrusa, porém bem-vinda
Eu tiro de você o melhor
e sigo meu caminho

Você não me perturba
você faz parte de mim
você é como uma irmãzinha
com quem eu brinco 
de esconde-esconde..

Mô Schnepfleitner

ERENI - PROSAS DA FOTO = MEU TEMPO


Ereni Wink
Meu Tempo





Perdi-me num mar imenso
De pura melancolia
Como paginas virada
De velha bíblia rasgada
Sucumbi...
Nas minhas noites mal dormidas
Optei pela subida
Da escadaria invisível
Que a vida oferecia
Cai...
No espaço sideral
Transformei-me em animal
Com o orgulho ferido
Calei todo sofrimento
Emudeci...
Decidi deixar o tempo
Curar todos meus tormentos
Transmutei...
Fiquei em torpor profundo
Desejei voltar ao mundo
Renasci...



Florianópolis 06/06/2012 Ereni Wink

JOSÉ CARLOS - Prosas do Tema = MELANCOLIA


Jose Carlos Ribeiro
Em frente ao oceano.




Sentado em frente ao oceano,
Olhando para o nada 
Pensando apenas na melancolia 
Que invade a minha vida.
Eu olho por cima das nuvens 
E imagino a vida 
Além deste oceano 
A nostalgia é minha única companheira.

Eu só queria sonhar com outra realidade 
A onde eu não posso ser magoado 
Mas tão rápido você me deixou.
Aqui neste mundo escuro
Eu só quero que você me deixe sonhar 
Que um dia você vai voltar 
E você nunca mais me deixara...

J.C.

LIGIA - Prosas do Tema = MELANCOLIA




Ligia Shlochmann





MELANCOLIA FOI ESTUDADA POR 
HIPÓCRATES NA ANTIGUIDADE
GREGA ERAM OS HUMORES.......A MELANCOLIA NA
MEDIEVAL ERAM OS POSSUÍDOS PELO DEMÔNIO.
A MODERNA E RENASCENTISTA PASSARÁ
SER HEROÍSMO ESPIRITUAL E LOUCURA DIVINA
ÉPOCA DAS LUZES.(RENASCIMENTO DAS ARTES).
NA CONTEMPORANEIDADE, LOGO NO INÍCIO ERA
TRISTEZA TIDA COMO NATURAL
MAS DAÍ VIERAM AS CIÊNCIAS MODERNAS
QUE CHAMOU A MELANCOLIA DE PATOLOGIA
A DEPRESSÃO.

SEJA ELA MELANCOLIA ...HUMORES...
ENDEMONIADA...LOUCURA DIVINA...
TRISTEZA IN NATURA..OU UMA ABSURDA
DEPRESSÃO....EMBALO MEUS DIAS NESSA
DOCE MELANCOLIA...ONDE BATE O VENTO DO MAR
ACARICIA O SOL DO MEIO-DIA..A SERRA
DA JUREIA.....ONDE AS MORADAS DO CÉU
ESBARRA NAS MONTANHAS....DA MINHAS
ALEGRIAS NESSA ETERNA MELANCOLIA.

outono/junho/2012.

SALETE - PROSAS DA FOTO = MORADA


Maria Salete Ariozi





De onde vêm as incertezas
Que apontam com sutilezas
As nuances desta Vida.
Tal sua forma que aponta
Num espaço infinito
Um firmamento !

Vislumbro por entre nuvens
Um aclive íngreme, 
Atrás, todavia degraus vencidos
De uma meia vida vivida,
Vencida num passado !

Desconhecida subida ainda 
Por mim espera...
Tenebroso, porém certo é este
Caminho...
Faz morada entre as sombras,
Muitos sonhos e dúvidas.
Para mim, para todos que seja,
Eterna, luminosa...
A morada derradeira !

((Salete )) – Jun/ 2012

LIGIA - PROSAS DO TEMA - FOTO = IMENSIDÃO



Ligia Shlochmann
IMENSIDÃO







INFINITUDE AZUL, IMENSIDÃO
PAZ ..... O ENCONTRO COM
O ANJO...A ALEGRIA, O AMOR....
VIM PARA TE VER ANJO QUERIDO
SUBINDO AS ESCADAS DA IMENSIDÃO
OUTRORA SEMPRE VINHAS ME VER....
HOJE ESSA POBRE MORTAL QUE VEM LHE
ABENÇOAR..TRAZENDO..CARÍCIAS
IMENSAS E FESTEJAR SUA MANSIDÃO
DOCE ANJO DAS LUZES QUE 
TROUXESTE AO MEU CORAÇÃO
ILUMINAÇÃO...COMPREENSÃO
E DEDICAÇÃO AO QUE ERA 
SOMENTE DESILUSÃO..
ME SAUDASTE QUANDO CHEGUEI
SEUS CABELOS LOUROS REVOARAM
COM SEU OLHAR AZUL IGUAL A IMENSIDÃO
SEI QUE TENHO QUE DESCER A ESCADA 
DA FINITUDE E VOCÊ MEU ANJO ADORADO
VOLTAR AO UNIVERSO, CONSTELADO
DE LUZES...ONDE HOJE FAZ SUA MORADA....
NESSE VASTO UNIVERSO COMPREENDIDO
PELA GRANDEZA DE SEU CRIADOR....

outono/junho/2012
Ligia Shlochmann

CLAUDIO - Prosas do Tema = MELANCOLIA




Claudio Caldas Faria
MELANCOLIA





Que chorem os tristes com suas tristezas
Eu bailo, rodopio enquanto louco estou
Sorrio, provoco, vejo através do que sou.
Talvez seja esta minha eterna natureza

De beber e saborear uma gota de alegria
Em vez de fingir, falsear os prazeres,
Com álcool, drogas ou qualquer porcaria,
Invertendo valores e os próprios dizeres.

Cansa-me, sobremaneira, sua estupidez.
Nada és que apenas um ser melancólico
Vive neste teu mundo pequeno bucólico
De melancolia e tamanha insensatez.

Lembre-se que o aqui estar é uma fresta
E esta vida não é mesmo uma eterna festa
Ou seja: de nada vale viver em euforia

Quando de tudo passar os efeitos
Verás que restam em você apenas defeitos
De uma vida vazia cheia de melancolia.

Claudio Caldas Faria
Lei de Direito Autoral (nº 9610/98)

CLAUDIO - PROSAS DA FOTO = Degraus





Claudio Caldas Faria
- Degraus -




Nada é mesmo certo

O mundo é cercado de incertezas
A vida um jogo marcado
De cartas escolhidas por sobre as mesas



E depois, o que virá?
Longos degraus da eterna escadaria
Após a morte o não saber o que viria!
A vida lhe cobra o que você não pode dar.



Quiçá, porventura, o nada?
É sempre o desmedido talvez
A vida segue inalterada
Sorrindo-nos com sua sordidez.



E nós humanos simplórios
Enganamo-nos ao dizer-nos felizes
E em cada degrau desse oratório
Rezamos por nossos deslizes.



Nada é mesmo certo...
Que siga a vida com boa sorte
Por mais que você siga reto
O final será sempre junto à morte!


Claudio Caldas Faria
Lei de Direito Autoral (nº 9610/98)

CLAUDIO - Prosas do Tema = MELANCOLIA




Claudio Caldas Faria
- Depressão -




Ela não chega, apenas,
Surge e aparece
É sorrateira, mas não dissimulada
Apenas muda e acalma
Mantem-se sempre calada.

Se som, cor ou intenção,
Sem sentido algum,
Nenhum,
Mas concreta
Não existe massa corporal,
Sentimentos, Visões
Ou qualquer sensação.

Somente VAZIO,
Apenas o "NADA",
Sem um ponto de partida
Ou a linha de chegada.

Não há lágrimas na alma,
Não há exatamente a calma
Clamor ou tempestades
Apenas vagos vestígios
De uma chama apagada
E mais o grande VAZIO
Preenchendo o NADA!

Claudio Caldas Faria
Lei de Direito Autoral (nº 9610/98)
In "ECOS & REFLEXOS"

MÔ - PROSAS DA FOTO = BUSCA


Mô Schnepfleitner
BUSCA



Nos meus sonhos
mais loucos
procuro em vão
por um caminho
uma luz
uma resposta
que me leve
ao teu encontro..
Só então
serei Feliz..

Mô Schnepfleitner

Você faz parte daqui